Ulisses Correia e Silva vai discursar na 32ª sessão ordinária da Conferência da União Africana na Etiópia

Cidade da Praia, 08 Fev (Inforpress) – O primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, representa Cabo Verde na 32ª sessão ordinária da Conferência dos Chefes de Estado e do Governo da União Africana, aprazada para 10 e 11 deste mês, em Adis Abeba, Etiópia, onde vai discursar.

O encontro que vai se desenrolar sob o lema “Ano dos refugiados, retornados e deslocados internos: Rumo a soluções duradoras para a deslocação em África”, visa engajar todos os Estados membros sobre a eficácia da ajuda humanitária no continente, abordar as causas profundas e a busca de soluções duradouras para fazer face aos desafios da deslocação forçada.

Segundo informações avançadas pelo gabinete de comunicação e imagem do Governo, durante a reunião será feita a apreciação e aprovação da Reforma Institucional da União Africana, a Zona de Comércio Livre Continental Africana, o Mercado Único de Transportes Aéreo Africano (MUTAA), bem como as eleições aos órgãos da UA.

Ulisses Correia e Silva fará uma intervenção na conferência e terá também a oportunidade de falar do engajamento do seu executivo na implementação do Mercado Único de Transportes Aéreo Africano e reforçará o compromisso de Cabo Verde para abertura total do céu africano.

Á margem da conferência, o primeiro-ministro tem agendado ainda encontros bilaterais ao mais alto nível com os chefes de delegação de Mauritânia, Marrocos, Moçambique, Nigéria, Noruega e São Tomé e Príncipe.

O encontro de dois dias irá centrar-se nas questões ligadas aos refugiados, repatriados e deslocados internos tendo em conta que 2019 foi declarado pela UA como o “Ano dos refugiados, retornados e deslocados internos: Rumo a soluções duradoras para a deslocação em África”.

A Organização da União Africana (OUA) foi fundada em 1963 em Adis Abeba, Etiópia por 30 Chefes de Estado e do Governo africanos e foi posteriormente substituto por União Africana (UA) em 2000.

Composto por 55 Estados, a organização visa acelerar a integração socio económica do continente africano e promover a solidariedade entre os Estados membros de modo a responder aos novos desafios e desenvolvimento políticos, económico e sociais que se colocam à África e ao mundo.

AV/FP

Inforpress/Fim