Trabalhadores dos Correios acusam direcção de “injustiça” e “má gestão” – administrador refuta acusações

Cidade da Praia, 20 Dez (Inforpress) – Os trabalhadores dos Correios de Cabo Verde (CCV), acusam a direcção da empresa de “injustiça” ao “violar os seus direitos laborais” e de fazer uma “má gestão” da mesma, mas o administrador, Cipriano Carvalho, refuta todas as acusações.

A denúncia foi feita pelo presidente do Sindicato dos Transportes, Telecomunicações Hotelaria e Turismo (SITTHUR), Carlos Lopes que falava na manhã de hoje à imprensa, durante a greve de dois dias dos trabalhadores dos Correios de CVV exigindo a reposição do subsídio de Natal em 100 por cento (%).

“Os trabalhadores estão a fazer o uso do direito de protesto e liberdade de expressão que está na constituição e este grupo que está aqui na greve representa a parte mais importante do funcionamento da empresa quer na sede no Plateau, no centro de tratamento de correspondência em Achada Grande Frente e na agência de Achada Santo António”, garantiu o sindicato, que até ao momento não soube adiantar os números da adesão.

Segundo o sindicalista, a paralisação de dois dias é para reclamar contra a redução do subsídio de Natal em 60% medida essa, implementada pela actual direcção da empresa.

Carlos Lopes assegurou que apesar da “campanha de pressão” para desmobilização da greve, por parte da administração, “a adesão tem sido boa” sobretudo nos centros urbanos.

Por outro lado, adiantou que os funcionários estão “revoltados e descontentes” também com uma série de medidas e “actos de má gestão” por parte da administração, que nos últimos tempos tem feito “uma série de contratações de trabalhadores” que são integrados no quadro, quando existem trabalhadores “com mais de dez anos de trabalho” à espera que a situação profissional seja regularizada.

O SITTHUR acusou ainda a empresa de contratar uma empresa privada de prestação de serviços, que, segundo este responsável, são esses trabalhadores que estão a prestar serviços nos balções dos correios.

Perante essas e outras medidas, avançou que os trabalhadores consideram que estão a ser desrespeitados pela forma como a administração tem estado a relacionar-se com os mesmos, tendo apelado ao Governo para dar uma “maior atenção” à empresa.

Em reacção, o administrador dos Correios de Cabo Verde, Cipriano Carvalho, refutou todas as acusações, considerando que essa greve “não se justifica” e que os trabalhadores deviam ser “mais compreensíveis” e entender que neste momento “não há condições financeiras para atribuição do subsídio de natal em 100%”.

“Esta greve não tem razão nenhum, e a adesão tem mostrado isso, uma vez que conta apenas com os funcionários da sede, sendo que das 33 agências a nível do país todas estão a funcionar normalmente, com excepção da agência de Mindelo que está a funcionar em parte”, assegurou.

Segundo explicou, o subsídio de Natal não é um direito adquirido dos trabalhadores, sendo que o regulamento interno diz que esse subsídio só é atribuído em percentagem, dependendo do resultado da empresa e da situação económica e financeira da mesma, tendo realçado que só este ano a empresa já pagou 13 salários incluindo o subsídio de férias.

Cipriano Carvalho assegurou que a actividade postal representa apenas 38% do rendimento da empresa sendo que o resto advém de prestação de serviços, parcerias e outras actividades prestadas.

“Em relação às novas admissões na empresa, é um processo normal sendo que estamos a recrutar jovens licenciados a medida que se justifica o recrutamento, porque tem um quadro pessoal, tem o nível académico desnivelado das exigência da empresa e a medida que o pessoal aderir ao processo de reforma e pré-reforma temos feitos aquisição para renovar o quadro do e dar uma nova dinâmica a empresa dentro da lei e dos procedimentos legais”, garantiu o administrador.

Cipriano Carvalho revelou que os Correios de Cabo Verde têm um contrato com uma empresa privada, que presta serviço com cedência de pessoal, mas assegurou que estão a analisar essa situação, prevendo-se a contrataçao desse pessoal.

AV/AA

Inforpress/Fim