Situação do cancro da próstata em Cabo Verde “é preocupante” – especialista

Cidade da Praia, 09 Nov (Inforpress) – O médico Sidónio Monteiro considerou hoje que a situação do cancro da próstata em Cabo Verde “é preocupante” e defendeu a necessidade de apostar mais nas acções de sensibilização, prevenção e diagnóstico precoce da doença.

O especialista fez estas afirmações à imprensa, na Cidade da Praia, durante o acto de apresentação do plano de actividades, promovido pela Associação Cabo-verdiana da Luta Contra o Cancro (ACLCC) destinado ao “Novembro Azul”.

Sidónio Monteiro lembrou, na ocasião, que o diagnóstico precoce do cancro da próstata garante a cura de cerca de 95 por cento (%) da doença.

Neste sentido, exortou os homens a procurarem especialistas para a realização de exames de rotina, isto porque, ajuntou, o cancro da próstata não apresenta quaisquer sintomas no seu início e é considerada uma doença silenciosa.

Para este especialista, o cancro da próstata é uma doença que, pela sua natureza, não apresenta sintomas, mesmo quando a pessoa tem um estilo de vida saudável, pelo que o enfoque principal, segundo o médico, deve ser a aposta prevenção.

“A prevenção é o enfoque principal que vai permitir que pessoas que estão numa faixa etária onde existem mais probabilidades de haver cancro da próstata poderem preventivamente, mesmo sem sintomas, procurar especialistas para a realização de exames”, precisou.

Segundo asseverou, os dados do Ministério da Saúde entre 2014, 2015 e 2016 apontavam que o cancro da próstata estava entre os primeiros tumores a causar mais mortes em Cabo Verde registando uma percentagem de cerca de 23%.

Em 2017, no primeiro trimestre, foram diagnosticados 129 casos de cancro da próstata com registo de 43 óbitos e que, conforme destacou Sidónio Monteiro, estatisticamente, a doença começa a partir dos 50 anos, entretanto, recomenda-se que se faça o diagnóstico a partir dos 45 anos.

Em Cabo Verde tem-se apostado na prevenção, no diagnóstico precoce como medidas de prevenção da doença, que tem afectado os homens, mas, segundo o médico, não há ainda uma grande sensibilização da sociedade e, sobretudo dos homens, sobre os malefícios da doença.

“Quando analisamos os dados estatísticos verificamos que há mais mortes por cancro da próstata do que câncer da mama. Deve-se ao facto das mulheres serem mais ciosas da sua saúde e optam mais pela prevenção, curam-se muito mais e os homens quando nos procuram estão em estados avançados”, ressaltou apontando a idade e estilo de vida como principais factores de risco.

Sidónio Monteiro revelou, por outro lado, que recentemente realizaram rastreios num dos bairros da cidade da Praia e, no total de 28 pessoas detectatam três casos de cancro da próstata, um número que, na sua opinião, “é considerável”.

Novembro Azul é um movimento mundial que acontece durante o mês de Novembro para reforçar a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer da próstata.

O evento é realizado em todo mundo por diversas entidades e é dirigido à sociedade e, em especial, aos homens, para conscientização a respeito de doenças masculinas, com ênfase na prevenção e no diagnóstico precoce do câncer da próstata.

CM/CP

Inforpress/Fim