Semana Cultural Chinesa em Cabo Verde já faz parte da agenda cultural cabo-verdiana – Amichachi

Cidade da Praia, 08 Fev (Inforpress) – O presidente da Associação de Amizade Cabo Verde-China (Amicachi), José Correia, afirmou hoje que a Semana Cultural chinesa em Cabo Verde, já faz parte da agenda cultural cabo-verdiana, com realização garantida anualmente.

José Correia fez essa constatação em declarações à Inforpress à margem do “Ffórum Económico Empresarial Cabo Verde-China” realizado na Cidade da Praia, no âmbito da VI edição da Semana Cultural chinesa em Cabo Verde, que se comemora desde 01 de Fevereiro.

“A Semana Cultural já é um produto e vamos continuar a desenvolvê-la, mas ela abrange a cultura a educação, medicina e as áreas económicas e empresarial”, explicou João Correia.

Em relação ao fórum disse que tem como objectivo o fomento do conhecimento mútuo entre os dois países, através de trocas de informações, assim como perceber as expectativas e definir o papel da associação no processo de cooperação entre Cabo Verde e China.

“Nós somos uma associação, mas temos cinco áreas chaves de actuação, nomeadamente a diplomacia da sociedade civil, económica empresarial, cultura, educação e comunidades e com este fórum pretendemos informar o sector privado e perceber as expectativas “, esclareceu o responsável.

Por isso, informou que no evento vai acontecer a apresentação do tema “Uma faixa uma rota” que é uma iniciativa do governo chinês para promover a conectividade global, uma outra sobre o fórum económico e empresarial entre a china e os países da língua portuguesa, assim como um resumo sobre as oportunidades da cooperação entre os dois países.

Instado a fazer o balanço dessa semana cultural, que termina esta sexta-feira, João Correia classificou-a de “muito boa”, ressaltando o facto de ser realizada na Praia, São Vicente e Santo Antão.

“As actividades foram mais diversificadas e a adesão foi maior porque as pessoas estão mais interessadas na exploração de oportunidades para desenvolver negócios entre os dois países”, enfatizou.

OM/FP

Inforpress/Fim