São Miguel/Retrospectiva: Obras de requalificação urbana e ambiental e plano de mitigação da seca destacaram em 2018

Calheta, 31 Dez (Inforpress) – As obras de requalificação urbana e ambiental e a implementação do plano da mitigação da seca marcaram os sectores do ambiente e da agricultura no município de São Miguel, neste ano que ora finda.

Diversas localidades deste concelho do interior de Santiago, nomeadamente Espinho Branco, Achada Batalha, Achada Pizarra e Achada Cutelo, ganharam obras no âmbito do programa requalificação urbana e ambiental com vista a melhoria de condições e qualidade dos bairros.

A reabilitação do centro histórico do porto, a construção de casa de arte e biblioteca municipal, a asfaltagem da via principal da cidade de Calheta e da praça e a construção da unidade sanitária de base (USB) são algumas obras levadas a cabo pela autarquia.

A ministra das infra-estruturas, Ordenamento do Território e Habitação, Eunice Silva, que esteve de visita ao concelho asseverou que o município de São Miguel “está numa grande transformação”, considerando que com esse ritmo Calheta vai tornar-se numa cidade “cada vez mais melhor”.

O concelho ganhou algumas obras que o edil,Herménio Fernandes, classificou como “emblemáticas”, com alegação de que irão “garantir” transformações importantes ao nível urbanístico e sobre toda configuração espacial da cidade.

Para a edilidade, estas obras, como a rua pedonal, vão trazer uma “grande centralidade” na cidade de Calheta, com novas valências, como a organização do trânsito, mobilidades das pessoas, mas que também contemplará outras intervenções como a drenagem das águas de chuva, criação de ciclovias e espaços verdes, que vão “mudar completamente o rosto da cidade”.

Ainda, além destas obras, São Miguel ganhou mais iluminação pública, um projecto que visa garantir mais segurança e melhorias da iluminação pública no município.

Para o ministro da Indústria, Comércio e Energia, Alexandre Monteiro, a iluminação e mais energia trazem melhor qualidade de vida, o que viabilizará mais economia e mais negócio para o próprio município.

O edil micaelense prometeu também que a requalificação urbana em São Miguel “vai acelerar a partir de Janeiro de 2019”, com garantia de “muitos postos de trabalho”.

Em relação ao mau ano agrícola que assolou o concelho de São Miguel e deixou várias sequelas, tanto para os agricultores e criadores de gado, como para a população em geral, a autarquia local colocou em prática algumas acções no terreno, nomeadamente empregos públicos nas ribeiras de São Miguel e de Flamengos e noutros pontos do concelho, priorizando o emprego público com o objectivo de mitigar o efeito da falta de chuva durante dois anos de seca.

Para a mitigação da seca e do mau ano agrícola, a câmara centrou-se em algumas actividades prioritárias para a mobilização de água, criando vários furos nas ribeiras de São Miguel, Flamengos e Campo Grande, tudo com o objectivo de disponibilizar mais água para os agricultores.

Na zona norte do concelho, tendo em conta a falta de água, o abastecimento foi feito através de furos de captação de água subterrânea, garantindo assim a “estabilização” do abastecimento de água à população.

Herménio Fernandes fez saber que o Governo já anunciou a disponibilização de 600 mil contos para a implementação do plano de emergência.

CL/CP

Inforpress/Fim