Santo Antão: Produtores preocupados com demora na implementação dos projectos previstos para sector cafeeiro

Porto Novo, 15 Mar (Inforpress) – A demora na concretização dos investimentos previstos para o  sector cafeeiro em Santo Antão está a preocupar os produtores locais, que insistem na necessidade de se avançar com a instalação da unidade de recepção, debulha e ensacamento do café.

A montagem da unidade de recepção, debulha e ensacamento do café é um dos investimentos, cuja concretização tem vindo a ser aguardada, nos últimos anos, pelos cafeeiros santantonenses, com vista ao relançamento desta cultura, de grande potencial na ilha, mas que caiu, ao longo dos anos, em declínio.

Além dessa unidade, os produtores desejam ainda a criação da cooperativa, que se encarregará da comercialização do café, segundo o produtor Francisco Silva, para quem o relançamento do sector cafeeiro em Santo Antão vai depender, também, da organização dos cafeeiros.

Essas acções estão previstas no quadro do projecto sobre a valorização do café de Santo Antão, porém, suspenso, em 2016, com a extinção da Agência de Desenvolvimento Empresarial e Inovação (ADEI), que vinha coordenando as actividades.

O projecto, que numa primeira fase abarcou a formação dos produtores e recuperação dos cafezais, prevê, numa segunda etapa, além da montagem da unidade de recepção, debulha e ensacamento do produto, também a organização dos produtos numa cooperativa.

O café de Santo Antão, onde existem mais de 60 explorações, é produzido, até agora, de forma tradicional (torrado e moído em pilão) e tem chegado a algumas ilhas do país, através da cooperativa PARES (Produtores Associados em Rede de Economia Solidária), sediada no Porto Novo.

A valoração dos cafezais de Santo Antão enquadra-se num projecto de âmbito nacional, que consiste na criação e valorização da fileira do café de Cabo Verde.

JM/ZS

Inforpress/Fim