Santo Antão: Operadores e autarcas alertam para “esquecimento” das pescas nas vésperas da visita do ministro da Economia Marítima

Porto Novo, 27 Jan (Inforpress) – Os operadores e autarcas em Santo Antão voltam a alertar para o “esquecimento” das pescas nesta ilha, que continua, a seu ver, à espera das infra-estruturas que potenciem esta actividade económica de grande potencial a nível dos três municípios.

Esta preocupação surge nas vésperas de uma visita de quatro dias do ministro da Economia Marítima, José Gonçalves, a Santo Antão, durante a qual este governante tem agendado contractos com as associações de pescadores nas diferentes comunidades piscatórias, para se inteirar da situação do sector da ilha.

A visita inicia-se, esta segunda-feira, precisamente pelo Tarrafal de Monte Trigo, no Porto Novo, onde a associação local dos pescados tem estado a queixar-se da falta de um cais de pesca e de embarcações, bem como de condições em termos conservação do pescado.

As associações de pescadores na ilha estranham o facto de Santo Antão, apesar do seu “grande potencial” no sector pesqueiro (dispõe de um maiores bancos de pesca do país) não dispor ainda de um único caís de pesca, lembrando que este sector “sempre foi esquecido pelos sucessivos governos”.

Segundo o presidente da Associação dos Municípios de Santo Antão, Orlando Delgado, não se entende o facto de, ao longo dos anos, os governos não terem feito “absolutamente nada” nesta ilha que pudesse potenciar este “sector estratégico” para o desenvolvimento local.

Segundo este responsável, os operadores e autarcas esperam que o Governo olhe para as pescas nesta ilha como “uma actividade estratégica” para o desenvolvimento de Santo Antão.

No Tarrafal de Monte Trigo, José Gonçalves deve reiterar o propósito do Governo em levar a cabo, ao longo deste ano, investimentos à volta de 200 mil contos para, sobretudo, o desenvolvimento das pescas nessa comunidade piscatória, onde se situa o banco do Noroeste, um dos maiores do arquipélago.

Trata-se de um projecto integrado no âmbito do qual estão previstas a criação de dois arrastadouros de botes, a aquisição de uma embarcação semi-industrial e a transformação e comercialização do pescado.

A estada em Santo Antão deste governante, que responde ainda pelas áreas do turismo e transportes, vai ser marcada ainda por contactos com os operadores turísticos e visitas a empreendimentos ligados ao turismo e à pesca.

JM/JMV

Inforpress/Fim.