Santo Antão: Morte lenta dos monumentos históricos deve centrar atenção do MCIC na sua primeira visita à ilha

 

Porto Novo, 18 Set (Inforpress) – O ministro da Cultura e Industrias Criticas (MCIC) efectua, hoje, a sua primeira visita a Santo Antão, onde, além da abertura do ano lectivo, deve inteirar-se do estado dos monumentos históricos na ilha, na sua maioria em “morte lenta”.

A visita do Abraão Vicente acontece numa altura em que os santantonenses têm estado a alertar para a situação de degradação da maioria dos monumentos históricos existentes nesta ilha, com destaque para a ponte de canal e a casa do químico Duarte Silva, na Ribeira Grande, o farol de “Boi”, no Paul, e o antigo quartel militar, no Porto Novo.

Os autarcas e os próprios deputados nacionais eleitos por Santo Antão têm estado, também, a alertar para “a morte lenta” desses monumentos, que clamam por uma “urgente recuperação”.

A ponte de canal, umas das obras históricas mais emblemáticas de Santo Antão, é uma infra-estrutura hidráulica, construída em 1956, que, nesses 61 anos de vida, nunca terá recebido uma única manutenção.

O farol Fontes Pereira de Melo (Farol de Boi), construído em 1886, na localidade de Janela, no Paul, considerado património nacional, está, também, em situação de abandono e em estado avançado de degradação.

A situação desses pontos de interesse patrimonial e cultural deve ser abordada nos encontros, agendados para esta segunda-feira, entre Abraão Vicente, os presidentes de câmaras de Santo Antão e os agentes culturais.

O farol Fontes Pereira de Melo, a Ponte de Canal e casa do químico Duarte Silva estão entre os patrimónios históricos nacionais que vão ser recuperados pelo Governo, segundo o Ministério da Cultura e Industrias Criativas.

Em fase avançada de deterioração, está também o antigo quartel, desactivado em 1982, que poderá ser transformado numa aldeia administrativa.

O edil do Porto Novo, Aníbal Fonseca, já assegurou que a fachada e as guaritas do ex-quartel, construído em 1932, dado o seu valor cultural, vão ser recuperadas, obras que estão previstas para 2018.

O ministro da Cultura e Indústrias Criativas, ainda no âmbito da sua estada, de uma dia, em Santo Antão, visita as instalações da futura instalações do museu nacional das romarias, no Porto Novo.

O museu nacional das romarias vai funcionar nas antigas instalações da fabrica de pozolanas, na cidade do Porto Novo, que estão, já há alguns anos, a ser requalificadas e adaptadas para receber esse espaço cultural que, além das festas de romaria, deverá, numa segunda fase, albergar ainda a tabanka.

A edilidade portonovense espera com a visita do ministro da Cultura às futuras instalações do museu conseguir o apoio do Governo para a conclusão, ainda em 2017, das obras do museu, precisando, para o feito, de uma verba na ordem dos 12 mil contos.

Abraão Vicente aproveita ainda a sua visita para conhecer outros pontos de interesse patrimonial e cultural no município do Porto Novo.

JM/JMV

Inforpress/Fim