Santa Cruz: PM defende aposta no fortalecimento das empresas já existentes para poderem se desenvolver ainda mais

Pedra Badejo, 08 (Inforpress)- O primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, disse hoje, durante uma visita a Santa Cruz, interior do Santiago, que se deve apostar no fortalecimento das empresas que já existem para se desenvolverem ainda mais.

O primeiro-ministro fez estas declarações nesta primeira parte da visita realizada hoje ao concelho de Santa Cruz, integrando uma delegação composta pelo vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia, o ministro do Turismo e Transportes, José da Silva Gonçalves, e o ministro da Indústria, Comércio e Energia, Alexandre Monteiro.

Segundo o chefe do Governo, para alavancar a economia das ilhas, neste caso particularmente em Santiago, em primeiro lugar, “tem que se apostar na atitude”, por parte do poder político”, “daqueles que realmente produzem a riqueza”, tais como empresários, empreendedores, ou seja, “aqueles que têm disponibilidade para empreender”, mas também “atitude numa perspectiva de, uma forma sustentável, criar mais riquezas para poder ter menos pobreza”.

Ulisses Correia e Silva reforçou que os projectos e programas de inclusão social são necessários e funcionam como estabilizadores e são importantíssimos, mas que não são suficientes.

Por isso, adiantou que componentes como empreendedorismo, investimento privados com parcerias e em parceria com o poder público são fundamentais.

Segundo Ulisses Correia e Silva, esta construção parte desse pressuposto, daí reafirmou que o Executivo está empenhado em fazer que as coisas aconteçam dessa forma, apostando “fortemente no fortalecimento das empresas” que já existem para se desenvolver ainda mais, considerando-as com condições e requisitos para alavancar ainda mais, criar e expandir negócios, criar mais empregos e rendimento.

Começar pelas empresas que já estão consolidadas, apostar e desenvolvê-las, apostar nas que estão consolidadas é uma estratégia que o primeiro-ministro considera importante, visto que, na opinião dele, tem um efeito de “arrastamento” sobre os outros e faz acreditar que é possível desenvolver actividades com qualidade e com capacidade de expansão.

O chefe do governo indicou a incubadora como exemplo de aquilo que precisa-se ser feito com ambição que, segundo ele, é “criar condições para que aqueles que querem aprender tenham um elemento básico, um ambiente favorável, espaço, apoio, boa parceria com a câmara municipal, com associação do turismo de Santiago, agregar as outras instituições e empresas que estão a trabalhar em conjunto.

Considera que “uma empresa que nasce é uma grande vitória” e que não é necessário que “nasça mil empresas ao mesmo tempo”.

Foram feitas visitas à empresa Montenegro, Incubadora de Santa Cruz, espaço dedicado à Feira Internacional da Banana, projecto-piloto Achada Igreja, Porto Fundo, Projecto “Rota da Carne”, obras de requalificação em curso, Casa da Amizade.

CL/JMV

Inforpress/Fim