Diagnóstico dos constrangimentos que impedem o sector privado de crescer começa a ser atendido – responsável

Espargos, 12 Mar (Inforpress) – O Conselho Superior das Câmaras de Comércio e Turismo considera que “muito do diagnóstico dos constrangimentos” que impedem o sector privado de crescer começa a ser atendido e apresentadas soluções para os problemas.

Carlos Santos fez essas declarações no acto de lançamento público da primeira edição do Cabo Verde Investment Fórum, na ilha do Sal, em representação do Conselho Superior das Câmaras de Comércio e Turismo, na pessoa de Belarmino Lucas, que não pôde estar presente no evento, presidido pelo ministro das Finanças, Olavo Correia.

“Agrada-nos, por exemplo, as recentes decisões a nível dos transportes marítimo e aéreo, como pilares essenciais para a unificação do mercado e recolocação de Cabo Verde na sua devida função de um centro prestador de serviços no Atlântico”, referiu.

Promovida pelo Governo, em parceria com o Conselho Superior das Câmaras de Comércio e Turismo, a realização do Cabo Verde Investment Fórum, previsto para inícios do mês de Julho, vem na sequência da Conferência Internacional “Construindo novas parcerias para o desenvolvimento sustentável de Cabo Verde”, cumprida no mês de Dezembro de 2018, em Paris.

“A realização do Cabo Verde Investment Fórum só pode merecer o nosso total engajamento e disponibilidade”, concretizou a mesma fonte, tendo em vista, assegurou, a procura de “novos caminhos” para financiar projectos de investimentos de empresas nacionais, projectos “bem organizados, competitivos” de forma a ancorar o sector empresarial nas actividades económicas que “têm crescido a bom ritmo”.

Todavia, a nível do turismo, o Conselho Superior das Câmaras de Comércio e Turismo continua a exortar o Governo para uma “maior e melhor” atenção sobre a “excessiva concentração” do mercado turístico, sobre a necessidade de qualificação do produto turístico, sobre a redefinição da estratégia na promoção e influenciação do produto dos mercados emissores, entre outros aspectos.

“Tudo em nome de um destino turístico consolidado, robusto e sustentável”, precisou.

Por sua vez, regozijando-se pela realização deste evento na ilha do Sal, o presidente da câmara Júlio Lopes considerou que o acto acontece “num momento interessante” em que o país está a apostar na plataforma aérea, o hub aéreo de Cabo Verde.

“Este é, de facto, o momento ideal para fazermos uma acção a nível internacional de atrair os bons investidores, mas também de reforçar o investimento dos actuais investidores, não só internacionais mas também os nossos investidores nacionais”, disse, ressalvando a categoria da diáspora cabo-verdiana.

Segundo o autarca, para os cabo-verdianos que conseguiram granjear experiência e capacidade financeira, este é “um bom momento” para voltarem a Cabo Verde e investir.

“Se outros estão a vir a Cabo Verde investir, também nós cabo-verdianos, residentes aqui ou na diáspora, temos que aproveitar essas oportunidades para poder fazer negócio e darmos o nosso contributo para o desenvolvimento do nosso país”, concluiu.

SC/AA

Inforpress/Fim