Provedor de Justiça desmente que tenha presidido assembleia-geral da EMEP

Cidade da Praia, 09 Jan (Inforpress) – O provedor de Justiça, António do Espírito Santo Fonseca, negou hoje que tenha presidido a assembleia-geral da EMEP, após a publicação de uma carta enviada ao então presidente da Câmara Municipal da Praia, Ulisses Correia e Silva.

A reacção de António do Espírito Santo Fonseca na sua página no Facebook vai ao encontro da queixa que o próprio apresentou junto da Procuradoria-Geral da Republica, acusando a Empresa de Mobilidade e Estacionamento da Praia (EMEP) de “lesar de forma intencional” os munícipes que procuram estacionar suas viaturas no Platô.

Com isso, decidiu responder às afirmações do presidente da EMEP, Mário Fernandes, à RCV, alegando que o mesmo havia presidido a primeira assembleia-geral da entidade, “portanto conhecia todas os regulamentos”.

Na publicação, António do Espírito Santo Fonseca, considerou que já estava a espera dessa reacção, por isso decidiu publicar a carta que comprova a recusa ao convite para presidir à assembleia-geral da EMEP, feita pelo então presidente da Câmara Municipal da Praia e actual primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva.

Conforme o documento, António do Espírito Santo Fonseca havia aceitado o “acordo de princípio” para exercer o cargo, mas “compromissos profissionais” impediram-no de exercer a função.

“Para o exercício cabal desse cargo, exijo de mim um mínimo de envolvimento, e isso passa não só por algum segmento da empresa (…), mas com a sobrecarga de compromissos profissionais fiquei com indisponibilidade de tempo para manter o acordo”, explica o provedor na carta.

Contudo, Mário Fernandes disse que a EMEP não tem conhecimento sobre a queixa apresentada pelo provedor, mas que se for notificada a empresa estará posicionada para reagir.

HR/AA

Inforpress/Fim