Porto Novo: Operadores económicos querem “brevidade” na abertura da delegação da IGAE 

Porto Novo, 08 Jun (Inforpress) – Os operadores económicos no Porto Novo, Santo Antão, pediram hoje “maior brevidade” na abertura da delegação da Inspecção-geral das Actividades Económicas (IGAE) no Porto Novo, medida anunciada há quase seis meses, mas ainda por concretizar.

Os operadores económicas, segundo o comerciante Osvaldo Neves, aguardam com “muita ansiedade” a abertura dessa representação que, no seu entender, “faz muita falta” no Porto Novo, onde preocupa o problema da concorrência desleal, praticada por  “supostos negociantes”, que “exercem a actividade de forma ilegal”.

Por isso, os operadores  esperam a criação, “com maior brevidade possível”, desse serviço,  avançou o operador.

A abertura de uma delegação da IGAE  no Porto Novo tem sido reclamada sobretudo pelos produtores do grogue, segundo os quais essa medida ajudará a reforçar a fiscalização da produção e contribuir para a melhoria da qualidade do produto.

No quadro de uma parceria com a Câmara Municipal do Porto Novo, a IGAE está a criar as condições para a abertura, ainda no decorrer de 2018, de uma representação neste concelho.

Segundo a edilidade portonovense, que já disponibilizou um edifício para a instalação desses serviços, está “tudo acertado” para a abertura “em breve” da representação da IGAE neste município para responder à reivindicação dos produtores do grogue, mas também dos outros operadores económicos.

A IGAE, entidade responsável pela promoção de acções preventivas e repressivas relacionas com infracções anti-económicas e contra a saúde pública, dispõe de delegações no Sal e em São Vicente.

A delegação de São Vicente tem a responsabilidade de cobrir Santo Antão, mas essa cobertura tem vindo a ser assegurada de “forma deficiente”, segundo os produtores do grogue.

Além da criação de uma delegação da IGAE, os produtores do grogue no Porto Novo defendem ainda a instalação de um laboratório de controlo da qualidade e de certificação do grogue em Santo Antão, projecto que, segundo o presidente da associação dos municípios desta ilha, Orlando Delgado, será concretizado neste ano de 2018.

O Governo prometeu, também para 2018, “uma forte aposta” na fiscalização, tanto em relação à aguardente, como de outros produtos alimentares, em Santo Antão.

JM/AA

Inforpress/Fim