Obras de expansão e modernização do Aeroporto da Praia consomem mais 35 por cento dos 29 milhões de euros previstos 

 

Cidade da Praia, 18 Dez (Inforpress) – As obras de expansão e modernização do Aeroporto Internacional Nelson Mandela, na Praia, que deverão estar concluídas em Julho de 2018, já absorveram mais 35 por cento (%) dos 29 milhões de euros previstos para a sua construção.

A informação foi dada hoje à imprensa pela ministra das Infraestruturas, Ordenamento do Território e Habitação, Eunice Silva, durante uma visita efectuada àquela infra-estrutura aeroportuária para acompanhar o andamento dos trabalhos.

A obra, cuja conclusão estava prevista para finais de 2016, registou um atraso de um ano e, com isso, segundo a ministra, os financiadores, o Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) e a ASA (Empresa de Aeroportos e Segurança Aérea), vão disponibilizam mais 35% do orçamento inicialmente previsto para que possa ser concluída.

“Nós estamos, neste momento, com 35 por cento sobre o valor das empreitadas, mas ainda estamos dentro da lei e não se trata de derrapagens, mas sim de obras solicitadas para melhorar a qualidade do nosso investimento. Ambas as partes vão financiar esse gasto em percentagem tal como foi estipulado no acordo do crédito”, indicou.

Eunice Silva explicou que este atraso deveu-se às obras complementares introduzidas para melhorar o projecto, como melhoria da climatização, introdução do sistema informático de gestão da aerogare, melhoria do sistema de drenagem de água e introdução do basalto no revestimento em larga escala em todo espaço da aerogare.

As obras que estão a ser executadas de forma faseada, uma vez que o aeroporto continua em funcionamento, segundo a ministra, deverão estar concluídas em Julho de 2018, mas neste momento, já estão abertos espaços para funcionamento como a nova sala de partidas.

Eunice Silva apontou como grande novidade neste aeroporto a introdução de um novo sistema de inspecção de bagagens.

“Em matéria de inspecção das bagagens nós temos a mais alta tecnologia e no referente ao transporte das mesmas vamos poupar em tempo e em operações. Vamos ter a capacidade de movimentar 1.200 bagagens por hora e podemos estar com quatro aviões do tipo 757 a operar em simultâneo e as bagagens vão neste ritmo”, apontou.

Numa altura em que a TACV vai deixar de operar para Praia e que a ilha do Sal vai acolher o “hub” aéreo, a governante, mesmo assim, não considera desperdício os investimentos feitos no Aeroporto Internacional Nelson Mandela e anunciou novos investimentos, desta feita, na pista.

“Isto não vai parar, haverá outros investimentos e outras iniciativas de investimento que terão que viabilizar este aeroporto, porque temos que o viabilizar e, uma das formas de fazer isso, é ampliando a pista”, disse a ministra, sem avançar uma data para a sua execução, apontando que ainda é necessário um estudo prévio.

As obras de melhoramento e expansão do Aeroporto Internacional da Praia, co-financiadas pelo BAD, e pelo Governo de Cabo Verde, preveem a extensão da plataforma de estacionamento de aeronaves, terminais de carga e passageiros, aumento das áreas comerciais, modernização do sistema de segurança, de tratamento e inspecção de bagagens, reduzindo a duração do “check in”.

Nesta visita, Eunice Silva esteve acompanhada dos responsáveis de todos os sectores do seu ministério, numa comitiva que integrava ainda a presidente do Laboratório de Engenharia Civil, Carla Martins, o presidente do Instituto de Estradas, Eduardo Lopes, e a presidente do Instituto Nacional de Gestão do Território, Ilce Amarante.

AM/CP
Inforpress/Fim