Ministro Gilberto Silva congratula-se com finalização do processo constituinte da empresa Águas e Energias do Maio

Porto Inglês, 09 Fev (Inforpress) – O ministro da Agricultura e Ambiente, Gilberto Silva, manifestou sexta-feira a sua satisfação com a conclusão do processo da constituição da empresa Águas Energia do Maio.

Gilberto Silva falava em declarações à Inforpress, no final de uma visita de três dias à ilha do Maio, durante a qual também pôde inteirar-se do andamento do processo da concretização da empresa Águas e Energias do Maio.

Afirmou que está “satisfeito” com a assembleia constituinte da Águas Energia do Maio realizada entre a autarquia maiense, detentora de 51 por cento (%) da empresa, e a Sociedade de Desenvolvimento Turístico das Ilhas de Boa Vista e Maio (SDTIBM), com os restantes 49%.

O titular da pasta da Agricultura e Ambiente garantiu que “em breve” acontecerá o processo da operacionalização da empresa, faltando somente a parte de capitalização.

Sobre a gestão dos resíduos sólidos urbanos, Gilberto Silva informou que daqui a um mês será realizada uma reunião com a autarquia para discutir e validar o plano operacional, com vista a ter, cada vez mais, um ambiente melhor para a vida dos cidadãos e potenciar o desenvolvimento do turismo na ilha.

Por seu lado, o presidente do conselho de administração da SDTIBM, Luís Silva, afiançou que, com a realização da última assembleia constituinte ficou assente que todas as condições estão criadas, faltando agora a deliberação da Assembleia Municipal, no sentido de extinguir o Serviço Autónomo de Água e Saneamento, para que a nova empresa comece a operacionalizar.

“Está tudo a postos para o arranque da Águas e Energia do Maio, e vamos criar todas as condições para que a empresa funcione”, sublinhou, garantindo que a ilha “está bem servida” em termos de infra-estruturas.

Luís Silva lembrou ainda que a Sociedade tem vindo a co-financiar a requalificação dos diversos povoados da ilha, assim como das ZDTI (Zonas de Desenvolvimento Turístico Integrado), aliás, informou que estão à procura de parceiros para infra-estruturarem a ZDTI sul da ilha, por forma a criar as condições para os investimentos.

“Um dos grandes constrangimentos até agora tem sido a acessibilidade, principalmente na parte marítima, por falta de um porto com as melhores qualidades, mas como está previsto o arranque brevemente das obras, estamos em crer que até o fim do ano vamos ter vários interessados em investir nas ZDTI”, enfatizou.

Conclui dizendo que já há manifestação de interesse por parte dos investidores, pelo que neste momento estão a aguardar somente pelo arranque das obras da requalificação do actual porto.

WN

Inforpress/Fim