“Gostaria de fazer minha carreira na rádio” – estudante de jornalismo Keiver Cardoso

Cidade da Praia, 13 Fev (Inforpress) – O estudante de Jornalismo Keiver Cardoso disse à Inforpress, no âmbito do Dia Mundial da Rádio, celebrado hoje, ter uma “paixão avassaladora” pela rádio e afirma-se certo de que gostaria de seguir carreira nesse ramo.

Para este jovem, a rádio é “um meio imprescindível” e que ao mesmo tempo dá gosto ouvir. “Ela faz parte do meu dia-a-dia”, reforçou.

“A rádio sempre foi o meu meio de comunicação preferido. Lembro-me ouvir relatos dos jogos do Sporting quando era criança. Emocionante!”, acrescentou Keiver Cardoso, completando que depois que começou a estudar Jornalismo pôde redescobrir como se faz e se vive a rádio.

“É literalmente uma paixão avassaladora. Com certeza gostaria de fazer a minha carreira na rádio”, afirmou esta fonte, quem já sabe que “o radialista é observador (…) detalhista”.

O que encanta Keiver Cardoso na rádio é o “imediatismo e a informação completa que é divulgada”.

Este interlocutor afirmou ainda que a rádio tem toda uma magia entre “desconhecidos”, ou seja, radialistas e ouvintes.

“É uma relação de confiança às cegas”, referiu.

Este estudante de jornalismo na Universidade de Santiago, disse não acreditar que a rádio esteja a perder terreno para a internet.

“Se calhar, a rádio como todos conhecemos, a rádio tradicional esteja (…) Creio que a rádio se adaptando à internet não ficaria para trás, pelo contrário, iria continuar a ser um dos meios de comunicação mais importante”, explanou.

Prosseguindo, Keiver Cardoso lamentou o facto de os jovens ouvirem cada vez menos a rádio.

“Infelizmente é uma realidade. Há que mudar alguma coisa e consciencializar-nos da importância vital deste meio”, sustentou.

Por outro lado, recordou o entrevistado, vive-se actualmente num “bombardeamento” constante de informação em diferentes medias.

“Tudo à nossa volta é frenético e não há tempo para pensar, reflectir e, por vezes, se esquece de como é bom ouvir um bom programa de rádio”, ajuntou.

Keiver Cardoso defendeu igualmente que a rádio, em Cabo Verde, continua a ser o “meio credível” e que isto se deve ao “excelente trabalho que se tem feito”.

“Já se deram passos significativos no formato online, no entanto acredito que falta mais, não é só colocar a transmissão via web e já está. É preciso criar uma rádio online, fazer o cruzamento de mídias com vista a atingir o maior número de ouvintes possível. Há muito que se aprender ainda, é preciso repensar a rádio”, finalizou.

O Dia Mundial do Rádio é comemorado a 13 de Fevereiro, em homenagem a primeira emissão de um programa da United Nations Radio (Rádio das Nações Unidas), em 1946. A transmissão do programa foi em simultâneo para um grupo de seis países.

A data foi criada e oficializada em 2011, pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO). O primeiro Dia Mundial do Rádio foi celebrado apenas em 2012.

GSF/AA

Inforpress/Fim