Ilha do Sal: Supremo Tribunal manda libertar nove indivíduos que estavam em prisão preventiva 

Cidade da Praia, 15 Mar (Inforpress) – O Supremo Tribunal de Justiça mandou libertar hoje nove indivíduos cuja prisão preventiva havia sido decretada pelo Tribunal da Comarca do Sal, sob acusação de ofensa à integridade física e desobediência, resistência e injúria aos agentes de autoridade.

A informação foi avançada à Inforpress por um dos advogados que integra a defesa dos arguidos, para quem estes foram alvos de uma “prisão ilegal” e, por isso, deram entrada com um ‘habeas corpus’ no Supremo Tribunal de Justiça.

Recorde-se que a Polícia Nacional do Sal apresentou em Fevereiro passado ao Tribunal da Comarca da ilha do Sal, 15 indivíduos dos quais nove ficaram em prisão preventiva e seis sob termo de identidade e residência (TIR).

É o resultado de uma confusão ocorrida no dia 20 de Fevereiro, na cidade de Santa Maria, quando a Polícia Nacional deteve dois indivíduos, acusados por ofensa à integridade física do árbitro de um jogo de futebol e desobediência, resistência e injúria aos agentes de autoridade.

Segundo avançou o online Santiago Magazine, do tumulto verificado no campo, testemunhas oculares afirmaram que “os agentes terão levado para esquadra pessoas culpadas e inocentes também”.

“Esta eventual má avaliação dos agentes de autoridade provocou descontentamento no seio dos populares, que decidiram atacar a esquadra da PN com pedras e garrafas, resultando em avultados danos materiais”, informou a mesma fonte.

Por seu turno, a Polícia Nacional emitiu um comunicado no qual informou que “pessoas obstruíram estradas e arremessaram pedras e garrafas contra os agentes de serviço, o edifício da Esquadra Policial, os meios veículos da PN e do Serviço de Proteção Civil ali estacionados, tendo causado avultados danos nos mesmos”.

Durante o primeiro interrogatório dos arguidos, seis ficaram sob TIR e nove conheceram medidas mais gravosas, ou seja, prisão preventiva, que agora é transformada em TIR pelo Supremo Tribunal de Justiça.

GSF/CP

Inforpress/Fim