Ilha do Sal: Pastores consideram-se melhor habilitados para apoio às famílias na prevenção ao uso do álcool e outras drogas

Espargos, 14 Mar (Inforpress) – Pastores de diferentes confissões religiosas do país, consideram-se melhor habilitados para superior actuação junto das famílias, no domínio da prevenção ao uso do álcool e outras drogas, depois de uma formação de três dias, no Sal.

Esta formação para apoio às famílias na prevenção ao uso do álcool e outras drogas focada em confissões religiosas, foi promovida pela Comissão de Coordenação do Álcool e Outras Drogas (CCAD), em parceria com a CEDEAO.

A iniciativa que decorre há três dias, devendo terminar esta tarde, acolheu a participação de cerca de 30 pastores, das três maiores confissões religiosas, Nazarena, Católica e Adventista do 7º Dia, dos vários concelhos do país.

Apesar de ser direccionada para as instituições religiosas, nela participaram também outras organizações que têm vindo a trabalhar na problemática.

Segundo o pastor Oziel Morais, da Igreja do Nazareno do Mindelo, essa reflexão permitiu “novos e melhores” caminhos para essa prevenção focada na família, na estrutura familiar.

Ajudando, conforme acrescentou, os adolescente e jovens, principalmente, a saberem como se comportar, a partir dos princípios que se ensina dentro de casa.

“Reflectimos aqui a importância de olhar os estudos e as estatísticas. Normalmente, temos uma dificuldade de não olhar por aquilo que os estudos apontam”, admitiu, considerando que as estatísticas apresentadas ajudam a entender a realidade e as zonas de perigo.

“Então, isso ajuda as igrejas a trabalharem, não só dentro da própria igrejas, mas a ser um agente de mudança, um interveniente social (…) que pastores, líderes e especialistas das confissões religiosas possam colaborar com qualquer organização, empenhada em combater esse mal”, apreciou.

Em representação da Igreja Católica, Manuel de Pina disse que essa formação foi uma “dádiva”, que possibilitou ferramentas “importantes”, para actuação junto das famílias visando o combate do flagelo.

“São ferramentas essenciais, sobretudo no que tange às estratégias. Temos boa vontade, a noção do que vamos dizer às famílias, mas às vezes não temos a metodologia mais correcta e apropriada de abordagem”, analisou.

Também reconhecendo a importância desta formação, o pastor David Dias, da Igreja Adventista do 7º Dia, região Sal/Boa Vista, nota que permitiu saber onde pedir ajuda técnica para melhor actuação no terreno.

“Sabemos que as igrejas estão a fazer um trabalho, mas não podem fazer tudo. Tem a parte que Deus faz, que os homens da igreja fazem, mas a parte técnica, da saúde, psicólogos, é importante…então é isso que estamos a partilhar e foi muito produtivo”, considerou o pastor David.

É a primeira vez em Cabo Verde que diferentes instituições religiosas reúnem-se para uma formação de apoio às famílias na prevenção ao uso do álcool e outras drogas.

SC/FP

Inforpress/Fim