Ilha do Fogo: Projecto de requalificação da piscina natural de Salinas vai estar concluído em Novembro

São Filipe, 20 Mar (Inforpress) – O projecto de requalificação da estância balnear de Salinas, denominado “Ecoturismo na piscina natural de Salinas”, vai ser executado dentro de sete meses e deverá ficar concluído em Novembro.

Financiado pela União Europeia (UE), o projecto, que conheceu vários percalços durante cerca de dois anos, está pronto para arrancar com os trabalhos, segundo os promotores.

As obras incluem a requalificação física do acesso ao local, instalação de equipamentos de segurança e de lazer, arrastadouro para os pescadores que utilizam o porto, construção de abrigos de botes e uma esplanada, para conferir, no futuro, a este local o selo de sítio de interesse turístico.

O presidente da Associação dos Pescadores da Zona Norte, Clarindo Teixeira, disse, segunda-feira, no acto de lançamento da primeira pedra, que, não obstante o descrédito em relação ao projecto, motivado pelos atrasos, os pescadores veem na infra-estrutura, uma forma de ajudar numa pesca de qualidade e produtiva.

“Com a facilidade no escoamento do produto da pesca, a segurança dos seus equipamentos e materiais e outras intervenções vai permitir as comunidades piscatórias da zona norte ter melhores condições de vida”, afirmou Clarindo Teixeira.

A presidente da ONG portuguesa Esdime, responsável pelo projecto, Madalena Alves, destacou que, independentemente do percurso do projecto, o importante é que a situação esteja ultrapassada e o dia do lançamento da primeira pedra foi um “dia especial” e que marca o início das acções prevista no projecto.

A aposta e o desafio do projecto é compatibilizar a atracção turística com a tradicional actividade piscatória da comunidade da zona norte de São Filipe, mas este investimento incide na recuperação do acesso e da envolvente, inclui trabalho de sensibilização, mobilização e capacitação da comunidade.

O projecto beneficia de um financiamento da UE no valor de 357.499 euros (cerca de 39 mil contos), corresponde a 75 por cento (%) do investimento total que é de 476.666 euros (cerca de 52 mil contos), e tem como objectivo global a diversificação da oferta turística do Fogo.

Salinas é uma baía que abriga um pequeno porto de pesca e uma piscina natural desenhada pela rocha vulcânica e uma das principais referências turísticas da ilha do Fogo.

Com a execução do projecto as autoridades locais esperam que este espaço, que já é visitado por muitos nacionais e turistas, passa a receber muito mais gente porque passa a oferecer outras condições.

O acto do lançamento da primeira pedra aconteceu na segunda-feira, e contou com presença da embaixadora da UE, Sofia Moreira de Sousa, do edil de São Filipe, Jorge Nogueira, do director-geral do Turismo, Francisco Mendes, da presidente da ONG portuguesa Esdime, Madalena Alves, entre outras individualidades.

JR/CP

Inforpress/Fim