PAICV vai questionar o Governo sobre o novo mercado de peixe no Porto da Praia

Cidade da Praia, 09 Jan (Inforpress) – O PAICV vai questionar o Governo, na sessão parlamentar deste mês, sobre o novo mercado de peixe no Porto da Praia que se encontra fechado, enquanto os pescadores e peixeiras continuam a trabalhar “sem as mínimas condições”.

A informação foi avançada pelo líder do grupo parlamentar (GP) do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV-oposição), Rui Semedo, que falava à imprensa, depois de visitarem esta manhã, as instalações do Caís de Pesca para constatar ‘in loco’ as condições em que trabalham as peixeiras e os pescadores e contactar os operadores deste sector.

Adiantou que o seu partido vai levar essa questão mais uma vez à casa parlamentar para questionar o Governo sobre o que pretendem fazer com essa infra-estrutura que constitui um investimento “muito importante” para o país e que contou com financiamento nacional e internacional.

Segundo o deputado, a situação mantém-se na mesma desde 2016, apesar do Governo ter todas as condições reunidas para colocar o novo mercado de comercialização de peixe a funcionar e rentabilizar o espaço.

Rui Semedo avançou que, neste momento, os pescadores, peixeiras e operadores não têm as mínimas condições de trabalho, higiene, salubridade, as pessoas continuam a trabalhar de baixo do sol abrasador, manuseando o pescado sem respeitar as normas de segurança alimentar, enquanto que os equipamentos continuam “fechados e trancados numa sala ao lado”.

O líder do grupo parlamentar do maior partido da oposição assegurou ainda que grande parte dos operadores estão “insatisfeitos” com a situação de trabalho.

Por outro lado, sublinhou que o Governo devia dar continuidade a um projecto que o PAICV já tinha traçado para essa infra-estrutura com a visão para o futuro, que é deslocalizar o caís de pesca para outro local que, no seu entender, vai permitir fazer uma navegação mais razoável e saudável e melhorar as condições na operação dos produtos de pesca e dos pescadores e peixeiras.

AV/ZS

Inforpress/Fim