Governo quer jovens empregados com rendimentos, mas a contribuir para o desenvolvimento do país (c/áudio)

Espargos, 13 Mar (Inforpress) – O vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças disse esta terça-feira, no Sal, que o Governo quer ver jovens empregados, com rendimentos e a viver sobre o seu próprio esforço, mas também a contribuir para o desenvolvimento do país.

Olavo Correia fez estas considerações no acto de apresentação pública das ofertas formativas para 2019, estágios profissionais empresariais e oportunidades de financiamento da formação profissional aos jovens da ilha.

A actividade teve lugar no Salão Nobre dos Paços do Concelho, que embora repleto de gente, escasseou-se a comparência de jovens que estão à procura de emprego e de uma vida melhor, o público-alvo dessas ofertas formativas, destacando-se, entretanto, a presença de um grupo de alunos do liceu Olavo Moniz.

Em relação a essa matéria, o titular da pasta das Finanças, quer, enquanto governo, preparar os jovens, e criar oportunidades para as empresas por forma a que possam inovar e criar oportunidades de emprego para a camada.

“O Governo não tem nada para dar a ninguém, mas tem obrigação de preparar a nossa juventude para que possam ter uma vida melhor. E, em função dos resultados alocar mais meios para a formação e estágios profissionais. Estamos a pretender atingir dez mil jovens com estágios e formação profissional em todo o Cabo Verde”, manifestou.

Por outro lado, prognosticando a presença de mais quatro mil quartos no Sal, Olavo Correia faz fé, que nos próximos anos, a ilha não terá problemas de emprego, ambicionando fazer de Cabo Verde um país desenvolvido.

“Queremos fazer de Cabo Verde um país desenvolvido e garantir as condições para que todos os jovens tenham acesso ao emprego, mas sobretudo ao emprego bem renumerado”, ambicionou, assegurando que o Estado está “permanentemente” a olhar para a forma como pode criar novas oportunidades para os jovens que saem das universidades.

“Por isso, não podemos estar a dificultar, a criar barreiras artificiais, alimentar a burocracia, que apenas destrói valor (…). Temos que estar a facilitar, empoderar, a criar condições para que os talentos cabo-verdianos no desporto, na cultura, no mundo empresarial, possam colocar o seu talento ao serviço do nosso país”, disse.

Olavo Correia concluiu a sua intervenção endereçando aos jovens, uma “mensagem de confiança” neste país.

“Este país tem um novo futuro à sua frente. Tem tudo para dar certo e para ser desenvolvido. Apostando no conhecimento… temos tudo para ser bem-sucedidos. E tudo depende de nós e de cada um. Vamos trabalhar juntos para um Cabo Verde melhor”, frisou.

A ocasião foi aproveitada ainda para a assinatura de um protocolo entre o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) e a Empresa Águas de Ponta Preta (APP), no domínio da formação e estágios profissionais.

SC/FP

Inforpress/Fim