Venezuela: Magistrado do Supremo Tribunal fugiu para colaborar com EUA

Caracas, 07 jan (Lusa) – Um magistrado do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) abandonou o cargo e fugiu para os Estados Unidos, onde espera vir a colaborar com acções das autoridades norte-americanas pela “liberdade da Venezuela”.

A fuga do magistrado foi confirmada pelo STJ que adiantou estar em curso uma investigação contra Christian Tyrone Zerpa por alegado assédio sexual, actos lascivos e violência psicológica.

Christian Tyrone Zerpa, magistrado da Sala Eleitoral, uma das seis salas que compõem o STJ, chegou sábado aos EUA onde questionou que o Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, vá assumir um novo mandado como Presidente da Venezuela.

“Decidi, conjuntamente com a minha família, sair da Venezuela, para não tomar conhecimento [formalmente] de uma ou outra forma, doo Governo de Nicolás Maduro, que pretende prestar juramento perante o STJ”, explicou o magistrado numa entrevista ao canal EVTV de Miami.

Maduro vai prestar juramento para um novo mandado presidencial perante o Supremo Tribunal de Justiça (STJ), ao invés da Assembleia Nacional (AN) já que não reconhece legitimidade a este órgão.

Tyrone Zerpa diz que Nicolás Maduro “não merece uma segunda oportunidade” como Presidente da Venezuela e precisou que só agora se “revelou” contra o regime por temor a que tanto ele como a sua família fossem perseguidos e que agora sob a protecção da administração de Donald Trump espera “poder dar informação relevante” sobre o Governo venezuelano.

“Algumas pessoas têm medo, mas se olharmos as páginas web e as redes sociais, começam a haver vozes dissidentes. Espero aportar um grão de areia para que o grupo de está no poder reflicta e entenda que há muitas pessoas descontentes”, disse.

Por outro lado, frisou estar com a consciência tranquila e à espera que o Governo venezuelano o ataque, que o acuse de “corrupto”.

Entretanto, num comunicado divulgado pelo STJ, o presidente daquele organismo, Maikel Moreno, afirma que o “ex-magistrado Christian Tyrone Zerpa, estava sob investigação desde 23 de Novembro de 2018, devido a “queixas repetidas de funcionárias” contra “condutas indecentes e imorais para com um grupo de mulheres” do seu gabinete.

Segundo o STJ o ex-magistrado “fugiu do país valendo-se da prerrogativa constitucional que ostentava, para evitar a justiça e para que os seus crimes ficassem impunes.

A 28 de Maio de 2018, o Governo do Canadá aplicou sanções contra 14 funcionários do Governo de Caracas, entre eles o então magistrado Christian Tyrone Zerpa.

Lusa/Fim