Discursos do Governo sobre ambiente económico do país não correspondem à realidade – PAICV (c/áudio)

Cidade Velha, 12 Fev (Inforpress) – A presidente do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV – oposição), Janira Hopffer Almada, disse hoje que os discursos do Governo sobre o novo ambiente económico do país não correspondem à realidade dos factos.

Janira Hopffer Almada fez estas declarações à Inforpress, à margem da visita efectuada por uma delegação do partido aos empreendimentos hoteleiros em Ribeira Grande de Santiago, nomeadamente o Hotel Vulcão, Hotel Limeira e o Hotel Pôr-do-Sol, para constatar “os desafios e as dificuldades” do sector.

“São feitos grandes discursos por parte do primeiro e do vice-primeiro-ministro sobre o novo ambiente económico, que não correspondem a realidade dos factos. Ou seja, não há nenhuma visão nova, sobretudo, não há nenhuma reforma, nenhuma medida nova e, por isso mesmo, isso não pode se reflectir na situação do sector privado”, disse.

Janira Almada referiu ainda que, “apesar de toda propaganda e marketing político”, Cabo Verde “voltou a perder” posições no ‘ranking’ do Doing Business, contrariando a promessa do governo (colocar o país no ranking dos 50 primeiro), o arquipélago “caiu para a posição 131”.

“No índice da competitividade, apesar do que foi dito e vem sendo dito, continuamos na mesma posição, três anos depois e a questão do financiamento que foi propalado não está, claramente, a conhecer solução”, acrescentou.

Prosseguindo, Janira Almada desafiou o Governo a publicar os impactos das “tais linhas de crédito que assinou com os bancos em 2017”, por forma a se saber quantas empresas foram beneficiadas, quais foram os montantes, em que sectores e em que condições.

Segundo disse a líder do PAICV, nas visitas que têm feito às várias ilhas, concelhos e municípios, os empresários têm dito que “não conseguem ter acesso a essas linhas de crédito”.

“Portanto, nós queremos saber que empresas é que beneficiaram daquelas linhas de crédito. Que o Governo diga à nação, porque nós não podemos continuar com discursos e sem nenhuma acção”, ajuntou.

Para a presidente do maior partido da oposição, é preciso um olhar para o sector da construção civil no país, “um sector motor, que leva atrás de si muitos outros sectores”.

“E é preciso perguntar às empresas cabo-verdianas de construção civil como é que estão. Se estão melhor, a conseguir alavancar as suas actividades, a ter melhores condições, acesso ao financiamento”, defendeu.

Ainda um outro aspecto que deve, segundo Janira Hopffer Almada, merecer a atenção do PAICV tem a ver com a “concorrência que o Estado tem feito aos privados em algumas matérias e alguns sectores”.

“Hoje em dia, até na feitura de fotos para os documentos o Estado concorre com os privados, o que é grave”, denunciou esta interlocutora realçando a “necessidade de o Governo começar a trabalhar, de facto, para resolver os problemas que o país tem em geral e que o sector privado, neste caso, nacional tem enfrentado”.

GSF/CP

Inforpress/Fim