Director-geral da Agricultura defende massificação de tecnologias para fazer face aos desafios da escassez da água no país

Cidade da Praia, 15 Mar (Inforpress) – O director-geral da Agricultura enalteceu hoje os avanços registados na implementação de medidas para o uso da água na agricultura, defendendo, entretanto, que é preciso massificar as tecnologias para fazer face aos desafios da escassez da água no país.

José Teixeira fez estas declarações durante uma conferência de imprensa, no âmbito do I Fórum Internacional da WASAG sobre escassez de água na Agricultura, evento a ser realizado na cidade da Praia, em comemoração ao Dia Mundial da Água, que se assinala a 19 de Março.

Segundo informou, o Ministério da Agricultura e do Ambiente promove, de 19 a 22 de Março, o primeiro Fórum Internacional sobre a escassez de água que, elucidou, visa identificar soluções “práticas, inovadoras e sinergéticas” para lidar com a escassez de água na agricultura num mundo onde as alterações climáticas são uma preocupação.

“Esse fórum veio a calhar, porque foi um trabalho desenvolvido junto dos parceiros internacionais, no sentido de canalizar esse evento para o país, porque estamos a enfrentar o segundo ano consecutivo da seca, onde o factor água é mais importante”, frisou, destacando que Cabo Verde, dada a sua experiência em matéria de do uso da água de irrigação, tem registado melhorias, com a implementação do sistema gota a gota.

No entanto, considerou que a escassez de água representa ainda um grande desafio para o país, lembrando que, apesar dos esforços na utilização de tecnologias para o uso da água na agricultura, os resultados ainda não são satisfatórios.

“Nem sempre as mesmas tecnologias são aplicadas de melhor forma e o nosso desafio com as tecnologias é melhorar a sua aplicação, essencialmente a sua massificação, porque em termos do sistema gota a gota só atingimos 28%, não estamos satisfeitos”, afirmou, sublinhando, por outro lado, que Cabo Verde pode também partilhar a sua experiência nessa matéria.

Conforme avançou, o primeiro Fórum Internacional sobre Escassez de Água na Agricultura reúne, na Cidade da Praia, mais de 200 especialistas em gestão de águas agrícolas, de todo o mundo.

Paralelo ao evento, ajuntou, realiza-se uma exposição de tecnologias e práticas ligadas à gestão de água e cadeia de valores e produção agrícola e será feito o lançamento do relatório mundial de desenvolvimento da água 2019.

O evento é organizado no contexto do Quadro Global para a Água na Agricultura (WASAG), sob o patrocínio do Governo de Cabo Verde, em colaboração com Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), o Ministério das Políticas Agrícolas,
Alimentares e Florestais da Itália, (MIPAAFT) e o Serviço Federal de Agricultura da Suíça (FOAG).

Pretende-se com este fórum “obter acordos relativamente às acções prioritárias para enfrentar a crescente pressão dos impactos das mudanças globais na escassez de água na agricultura”.

Com foco em Cabo Verde, os Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento (SIDS) e países da África Ocidental participantes do fórum irão analisar e discutir como a escassez da água na agricultura pode ser abordada e transformada numa oportunidade para o desenvolvimento sustentável e para a segurança alimentar e nutricional.

Criado em 2017 pela FAO, o WASAG reúne mais de 60 parceiros, incluindo governos e organizações intergovernamentais, agências da ONU, instituições académicas e de pesquisa, organizações da sociedade civil e do sector privado em todo o mundo, todos comprometidos em identificar e implementar respostas concretas para abordar em conjunto a escassez de água na agricultura, num mundo onde as alterações climáticas são uma preocupação.

Um dos principais objectivos do WASAG é apoiar os governos e as partes interessadas na realização dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), mais precisamente no ODS 1 – Erradicar a Pobreza; ODS 2 – Fome Zero; ODS 5 – Igualdade de género; ODS 6 – Água Potável e Saneamento; ODS 12 – Garantir Padrões de Consumo e de Produção Sustentáveis; ODS 13 – Acção Climática; ODS 15 – Proteger a Vida Terrestre e ODS 17 – Parcerias para a Implementação dos Objectivos.

Actualmente, o WASAG trabalha em seis áreas prioritárias, designadamente água e migração, água e nutrição, agricultura salina, uso sustentável da água na agricultura, preparação para secas e mecanismo financeiro para a gestão sustentável dos recursos hídricos.

CM/JMV

Inforpress/Fim.