Cimeira CPLP: “Somos verdadeiramente uma grande e promissora comunidade” – Jorge Santos

Santa Maria, 17 Jul. (Inforpress) – O presidente da Assembleia Nacional considerou hoje, na ilha do Sal, que a CPLP é uma “grande e promissora” comunidade, espalhada pelos cinco continentes, que se funda em traços “históricos e culturais, profundos e seculares”.

Jorge Santos fez essas declarações na abertura da XII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) em representação da Assembleia Parlamentar da CPLP, na sessão em que Cabo Verde assumiu a presidência rotativa da Comunidade.

“Malgrado as vicissitudes históricas, podemos, hoje, afirmar que fizemos juntos um percurso que nos leva a estar aqui e lançar um olhar positivo sobre o que podemos construir para os nossos cidadãos, eles que são a verdadeira razão de ser desta comunidade”, enfatizou.

Durante a sua intervenção, destacou a necessidade de a CPLP posicionar-se no cenário internacional como um actor global e com uma estrutura que permite exercer uma influência “coesa e positiva” em prol da comunidade.

“Com políticas comuns em matéria de livre circulação de pessoas ou de facilitação de vistos, em matéria de facilitação de investimentos e fixação de entidades empresariais nos territórios dos Estados Membros e uma política comum em matéria de livre circulação de capitais”, sublinhou.

Para o parlamentar, revela-se, também, de “capital importância”, um intercâmbio “mais intenso” e consolidado em matéria de investigação, ciência, conhecimentos, tecnologias e implementação de um Sistema de Informação Lusófono que possa permitir uma cooperação em matérias policiais e judiciais, com vista a reforçar a segurança das pessoas e bens no espaço da CPLP.

Jorge Santos concluiu lembrando que a Assembleia Parlamentar da CPLP deve constituir-se numa plataforma natural de diálogo político permanente entre os Parlamentos Nacionais, a Conferência de Chefes de Estado e do Governo, o Conselho de Ministros, o Comité de Concertação Permanente e o Secretariado Executivo, garantindo o reforço do poder de supervisão política.

“Agindo desta forma contribuiremos para a construção da paz, para a boa governação, para uma melhor harmonização de políticas de desenvolvimento, permitindo a CPLP afirmar-se, cada vês mais, como uma organização assente em princípios democráticos e de transparência”, finalizou.

Participam nesta XII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da CPLP, chefes de Estado de oito dos nove países membros da organização, Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe.

Para além dos membros que formam a Comunidade, a CPLP tem como observadores associados países como a Geórgia, a Hungria, o Japão, a República Checa, a República Eslovaca, a República das Maurícias, a República da Namíbia, a República do Senegal, a República da Turquia e o Uruguai.

SC/AA

Inforpress/Fim