Capoeira: Organização acredita que após festival internacional modalidade vai ser vista “com outros olhos”

João Teves, 15 Mar (Inforpress) – A organização do I Festival Internacional de Capoeira de Cabo Verde, que decorre de hoje a 30 de Março na ilha de Santiago, acredita que após o certame que a modalidade vai ser vista “com outros olhos”.

“Esperamos que com este festival de grande dimensão a capoeira passa a ser vista com outros olhos, não só pelos capoeiristas, mas também pelos pais e encarregados de educação, comunidade e entidades”, almejou António Vaz, um dos responsáveis do festival.

O festival, organizado pela Associação de Capoeira Oria Zambi de Cabo Verde, e que tem como palco central o município de São Lourenço dos Órgãos, vai percorrer todos os outros concelhos de Santiago, com destaque para Praia, Santa Catarina, São Domingos, Tarrafal e Santa Cruz.

O certame conta com a participação de cerca de 200 capoeiristas internacionais e nacionais e decorrerá sob o lema “Capoeira volta mundo, nôs terra, nôs djentis” (Capoeira volta ao mundo, nossa terra, nossas gentes).

O também presidente Associação de Capoeira Oria Zambi de Cabo Verde, que falava à imprensa, à margem da abertura oficial do festival, que teve como palco o município de São Lourenço dos Órgãos, aproveitou para convidar as mulheres a aderirem a esta arte marcial brasileira, tendo em conta que se está no “Mês de Março, Mês da Mulher”.

Segundo este formador de capoeira, durante os 15 dias dedicados a esta modalidade serão realizadas várias actividades culturais e de intercâmbio, desde debates sobre várias temáticas relacionadas com a capoeira, palestras sobre álcool e outros males sociais, rodas de capoeira e trabalhos sociais como doação de sangue e entrega de materiais a instituições.

Paralelamente ao evento serão realizados baptizados e trocas de cordas em Achada Grande (Praia), São Domingos e São Lourenço dos Órgãos.

O festival, realizado no âmbito do projecto “Nôs terra, nôs djentis” e que com parcerias de todas as câmaras municipais da ilha de Santiago, tem como objectivo promover a cultura cabo-verdiana fazendo a capoeira.

Daí, segundo António Vaz, vão realizar um “tour” pelos nove municípios da ilha de Santiago, passando ainda por São Miguel e vistas aos patrimónios históricos da Cidade Velha (Ribeira Grande de Santiago) e do Tarrafal.

A capoeira é uma expressão cultural brasileira que mistura arte marcial, desporto, cultura popular, dança e música.

FM/CP

Inforpress/Fim