CPLP: Brasil quer que reforço dos laços institucionais entre os parlamentos continue a contribuir para o fortalecimento dos laços históricos

Cidade da Praia, 10 Jan (Inforpress) – O Brasil quer que o reforço dos laços institucionais entre os parlamentos continue a contribuir para a concentração diplomática, promoção e divulgação da língua portuguesa e o fortalecimento dos laços históricos, étnicos e culturais dos países.

A afirmação é de Márcio Marino durante a cerimónia de abertura da VIII Assembleia Parlamentar da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (AP-CPLP), que decorre na Cidade da Praia, hoje e sexta-feira, sob o lema “CPLP – Uma Comunidade de Pessoas”, em representação do presidente da AP-CPLP, Rodrigo Maia.

Márcio Marino fez um balanço positivo da presidência brasileira, que centrou as suas actividades em três “eixos importantes”: a consolidação institucional, estratégia e língua e cultura, medidas essas que, no seu entender trouxe “avanços consideráveis” para a comunidade.

“Agradecemos a cada um dos nove Estados membros por terem confiado no nosso trabalho à frente da presidência da Assembleia Parlamentar. Fazemos votos que o reforço dos laços institucionais entre os parlamentos siga contribuindo para a concentração diplomática, para a promoção e divulgação da língua portuguesa e para o fortalecimento dos laços históricos, étnicos e culturais dos países que obtiveram avanços consideráveis”, disse.

Aprovação da deliberação sobre o processo de instalação do Secretariado Permanente da Assembleia Parlamentar da CPLP, mecanismo de facilitação e participação dos parlamentares no Conselho de Segurança Alimentar (CONSAN) da CPLP e criação do programa pessoa-mobilidade, ciência e desenvolvimento são entre outras acções levadas a cabo durante a presidência do Brasil.

Por outro lado, avançou que a nível da Rede das Mulheres Parlamentares, conseguiram fazer “excelente trabalho” e mobilizar esforços para que o intercâmbio de informações sobre o empoderamento económico e social das mulheres e estimularam também a uma maior presença feminina em cargos de destaque em organismos internacionais.

“O Brasil apoiou ainda o enfrentamento das questões como a violência doméstica, abusos sexuais e assédio no ambiente de trabalho”, precisou Márcio Marino que assegurou que o seu país se congratulou ainda com as três comissões permanentes da Assembleia Parlamentar que tiveram um papel importante nas acções levadas a cabo.

A VIII AP-CPLP conta com a participação de mais de 120 parlamentares que compõem as delegações de Portugal, Angola, Brasil, Moçambique, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial e São Tomé e Príncipe. Por razões de política interna, Timor-Leste não se fez representar no encontro.

Paralelamente ao encontro, acontecem reuniões das comissões permanentes de Política, Estratégia, Legislação, Cidadania e Circulação, de Economia, Ambiente e Cooperação e de Língua, Educação, Ciência e Cultura, que vão eleger os respectivos presidentes, vice-presidentes e secretários, análises de deliberações e funcionamento interno.

AV/CP

Inforpress/Fim