UNTC-CS perde processo em tribunal contra funcionária despedida e vai pagar uma indemnização no valor de mil contos – Sindicato

Cidade da Praia, 12 Abr (Inforpress) – A UNTC-CS perdeu em Tribunal o processo que moveu contra uma funcionária e foi condenada a pagar uma indemnização no valor de mil contos, informou hoje o STAPS, que causa a secretária-geral da organização de “vingança e ódio” contra os trabalhadores.

O anúncio foi feito hoje, em conferencia de imprensa, por Arnaldo Cardoso, do Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública de Santiago (STAPS).

Em causa está um processo movido pela secretária-geral da UNTC-CS, Joaquina Almeida, contra a trabalhadora Ana Cristina Garcia, acusada de distribuir ilegalmente documentos daquela união sindical a terceiros.

“No tribunal,  ficou provado que Ana Cristina não cometeu nenhum crime, pelo que a secretária-geral da UNTC-CS vai ter de pagar uma indemnização no valor de mil contos à acusada, já que de um despedimento por justa causa,  evocado por esta, o processo passou a um despedimento sem justa causa”, esclareceu.

Perante este desfecho e a acusação de Joaquina Almeida de que Arnaldo Cardoso tinha o assunto como próprio, o membro do conselho directivo do STAPS afirmou não ter “medo da sombra da secretaria da UNTC-CS”, que, observou, está “cheia de ódio e vingança”.

Para Arnaldo Cardoso, com estes processos e algumas acusações feitas à sua pessoa, Joaquina Almeida demonstrou que não entende “nada” sobre o sindicalismo.

Arrependido de ter votado o projecto de Joaquina Almeida nas eleições de Setembro de 2016, o sindicalista quer hoje a sua demissão, justificando o seu pedido com o facto de que, após às eleições a Secretária-geral da UNTC-CS, a responsável ter feito um “retrocesso de 360 graus”, passando de pessoa com vontade de trabalhar com todos para quem “elimina qualquer um que contraria a sua vontade”.

Joaquina Almeida, denunciou o sindicalista, funciona de momento sem os dois vice-secretários gerais, por estes terem pedido demissão, alegando incompatibilidade.

A central sindical está a funcionar sem o presidente da mesa do Conselho Nacional, que é o órgão maior entre os dois congressos.

Segundo Arnaldo  Cardoso, a Secretária-geral da UNTC-CS tem estado a se deslocar às ilhas sem comunicar os responsáveis, reunindo com outros membros “às escondidas, para fazer intrigas”.

As anomalias na UNTC-CS, observou, são “tantas que nem dá para falar”, particularmente, quando “Joaquina Almeida faz uma advogada assinar um documento sobre uma reunião que nunca existiu”.

Além deste processo, a secretária-geral da UNTC-CS tinha perdido uma queixa feita na Inspecção-geral do Trabalho (IGT), “por perseguir trabalhadores”, tendo sido multada por isso em cerca de 540 contos.

PC/JMV
Inforpress/Fim