UE disponibiliza 2,5 milhões de euros para projectos de desenvolvimento sustentável da inclusão social (c/áudio)

Cidade da Praia, 06 Dez (Inforpress) – A União Europeia vai disponibilizar 2,5 milhões de euros (cerca de 275 mil contos) para financiar projectos de desenvolvimento sustentável  da inclusão social, no quadro do Programa Temático para Organizações da Sociedade Civil e Autoridades Locais.

A informação foi avançada hoje, na Praia, pela embaixadora da União Europeia em Cabo Verde, Sofia Moreira de Sousa, que falava aos jornalistas depois de fazer a abertura do diálogo com a sociedade civil onde foi apresentado os critérios do projecto.

Segundo explicou, em 2019, a União Europeia vai lançar um concurso para as entidades da sociedade civil e organizações não governamentais concorrerem com projectos ligados à área do desenvolvimento sustentável e da inclusão social.

Sofia Moreira de Sousa acrescentou que podem concorrer também organizações da sociedade civil mais pequenas que podem fazer parcerias com outras entidades da sociedade civil ou organizações não governamentais que têm algum trabalho feito nas áreas definidas pelo concurso, que apresentem um projecto detalhado, com objectivos bem determinados, público alvo e que o mesmo tenha sustentabilidade após terminar o financiamento.

A embaixadora da União Europeia em Cabo Verde assegurou que o concurso de 2019 irá privilegiar projectos ligados à área do desenvolvimento sustentável da inclusão social que tente apoiar as camadas menos privilegiadas da população e a sua integração socioeconómica na sociedade.

Por outro lado, disse que para concorrerem ao Programa Temático para Organizações da Sociedade Civil e Autoridades Locais, as organizações têm de ser firmes, com contabilidade em dia e bem estabelecida, com projectos credíveis e que possam dar prova de serem capazes de fazer a administração das verbas.

“Depois da experiência que tivemos no terreno, em 2016 incutiu-se a possibilidade das organizações não governamentais mais consistentes e com a parte administrativa mais forte poderem trabalhar em conjunto com as ONG mais pequenas”, precisou a embaixadora que sublinhou que para 2019 vão ser privilegiados também projectos que apresentem essa componente, fazendo com que o apoio chegue realmente às comunidades.

Dos projectos apresentados em 2016, avançou que neste momento é muito cedo para fazer uma avaliação concreta dos projectos implementados, uma vez que o financiamento ainda não terminou, mas assegurou que aqueles que teve a oportunidade de conhecer e de se inteirar estão a funcionar “muito bem” e têm tido ganhos concretos para a comunidade e para as pessoas que participaram directamente.

Em 2016, a União Europeia (UE) disponibilizou 2.300.000 euros (cerca de 253.000.000 de escudos) e beneficiou cinco associações nomeadamente, o Movimento África 70, a Federação Cabo-verdiana de Associações de Pessoas com Deficiência, o Instituto Marquês de Valle Flôr, a Associação de Defesa dos Património de Mertola e o COSPE.

AV/ZS

Inforpress/Fim