sarıyer haberleri">

Três anos depois da erupção vulcânica no Fogo a população queixa-se da falta de apoio

 

Cidade da Praia, 23 Nov (Inforpress) – Os deslocados da erupção vulcânica do Fogo de 2014, que começou a 23 de Novembro e só terminou nos primeiros dias de Fevereiro de 2015, passados três anos, continuam a queixar-se da falta de apoio da parte das autoridades.

Instado a se pronunciar sobre esta situação, o deputado do Partido Africano da Independência de Cabo Verde, José Maria Veiga, então poder, disse que o seu partido sabia, à partida, que a solução dos problemas dos habitantes de Chã das Caldeira era uma “questão complexa”.

“Tentámos fazer um trabalho no sentido de resolver os problemas da população nessa altura e ao mesmo tempo tomar medidas de empoderamento dessas gentes de Chã das Caldeiras, a longo e médio prazo”, afirmou José Maria Veiga à margem do acto de entrega hoje no Parlamento de uma proposta de resolução que visa criar medidas para se fazer face ao mau ano agrícola.

Segundo o parlamentar do PAICV, durante as campanhas eleitorais, os discursos do Movimento para a Democracia (MpD-poder) sobre a matéria foram “desastrosos” e, hoje, prossegue, este mesmo partido é “vítima do discurso que fez e não consegue resolver os problemas das pessoas da Chã das Caldeiras”.

“Nota-se que há uma incompetência (da parte do Governo) em resolver os problemas de Chã das Caldeiras e a população já começou a sentir isso”, lamenta José Maria Veiga.

Quanto às construções que voltaram à cratera de Chã das Caldeiras, depois de esta localidade ter sido considerada zona de risco, afirmou que o ideal era que “não fossem permitidas construções ali”.

A permitir que houvessem ali construções, prossegue, estas tinham que ser “bem definidas”.

Reconhece, porém, que Chã das Caldeiras é um pólo económico, que permite às pessoas “ganhar a vida e recursos” e, por isso, considera “normal” que se dirijam àquela localidade.

“Há que fazer uma combinação entre a perspectiva da gestão de risco, em termos presente e futuro, e a perspectiva económica”, indicou o deputado, defendendo que “nunca a economia deveria sobrepor-se à questão do risco”.

A erupção vulcânica de 2014 teve início quando eram 09h45 na ilha do Fogo, indicara na altura  o Ministério da Administração Interna de Cabo Verde. Já desde às 19h00 de sábado que a actividade sísmica se tinha intensificado na região.

O incidente levou o Governo a decretar “situação de contingência” nas ilhas do Fogo e da Brava.

A explosão e a lava começaram a brotar de uma cratera próxima da que se abriu em 1995, quando ocorreu a última erupção.

A ministra da administração Interna da altura, Marisa Morais, tinha alertado que o país podia estar perante uma erupção de “grande intensidade”, que poderia mesmo ser superior à que foi registada em 1995.

LC/FP

Inforpress/Fim

 

 

%d bloggers like this:
Modüler Bölme Duvar Açık ofis bölme sistemleri Ofis Bölme Sistemleri Jaluzili cam bölme Cam bölme duvar Jaluzili bölme duvar Çocuk odası Diş polikliniği dekorasyonu Ofis dekorasyonu Hastane dekorasyon Ev dekorasyonu Sivas prefabrik Mutfak dekorasyonu Ofis dekorasyonu İç mimari dekorasyon