Transversalização do género pode melhorar o ambiente de negócio no país, Rui Levy (c/áudio)

CAFCidade da Praia, 17 Abr (Inforpress) – A transversalização na questão do género na Administração Pública segundo o modelo de Estrutura Comum de Avaliação (CAF) pode ajudar a melhorar o ambiente de negócio no país, disse hoje o coordenador nacional da ONUDI.

O coordenador da Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (ONUDI), Rui Levy, fez essas considerações em declarações à imprensa, após a cerimónia de abertura da formação sobre a Integração do Género no Modelo de Estrutura Comum de Avaliação que arrancou hoje, na Cidade da Praia.

Segundo aquele coordenador de uma das agências das Nações Unidas, a Integração do Género no modelo CAF é uma “grande aposta” do Governo, pelo que é necessário definir e conhecer instrumentos que ajudariam a Administração Pública a integrar e assegurar a transversalização do género seguindo todos os elementos necessários.

“Trata-se de um processo novo que irá ajudar as pessoas a olharem para a gestão do género, mas a análise que se vai fazer vai muito mais além, procurando ver se existe uma situação igualitária entre homens e mulheres e se existem situações que conseguem ser explicados por ser mulher ou homem”, disse.

É uma novidade termos instrumentos de gestão, realçou Rui Levy, para quem o projecto pode ajudar a melhorar a performance das instituições que lidam directamente ou indirectamente com o sector privado.

“O CAF é uma ferramenta de gestão pela qualidade total, através da auto-avaliação, o que significa que são os próprios colaboradores que implementam esta metodologia”, indicou o coordenador da ONUDI em Cabo Verde, acrescentando que são estes que identificam os pontos fortes, assim como as oportunidades de melhoria que se pode fazer em relação à performance da instituição.

A autoavaliação, de acordo com Rui Levy, é holística, pois, olha paras pessoas, para os recursos materiais e financeiros e foca em processos chaves que fazem parte do mandato das instituições assim como nos resultados.

A CAF em Cabo Verde está a ser implementada em oito instituições piloto com intervenção directa no ambiente de negócios do país: Direcção Geral das Alfândegas (DGA); Direcção Geral das Contribuições e Impostos (DGCI); Direcção Nacional da Administração Pública (DNAP); Direcção Nacional da Indústria, Comércio e Energia (DNICE); Registo Notariado de Identificação (RNI); Câmara Municipal da Praia (CMP); Câmara Municipal do Sal (CMS) e Câmara de Comércio de Sotavento (CCS).

A formação que se enquadra no projecto “Promover a melhoria organizacional em instituições económicas para facilitar a reforma do ambiente de negócios em Cabo Verde: Implementação da Estrutura Comum de Avaliação (CAF)”, iniciou em 2018, sendo que desta feita contempla a vertente género.

A implementação da transversalização do género está prevista no PEDS, que considera a igualdade de género como um dos “pilares fundamentais do desenvolvimento sustentável” que visa assegurar que as mulheres e meninas, assim como os homens e meninos, tenham as mesmas oportunidades de participação, acesso e benefício do processo de desenvolvimento.

PC/ZS

Inforpress/Fim