Tarrafal de Santiago: Novo Código de Postura Municipal em discussão pública até 07 de Setembro

Tarrafal, 15 Ago (Inforpress) – O Novo Código de Postura Municipal de Tarrafal de Santiago, que deverá ser submetido à Assembleia Municipal para aprovação ainda no decurso deste ano, estará em apreciação pública até 07 de Setembro, informa a edilidade.

A proposta [versão zero do Novo Código de Postura Municipal] encontra-se disponível nas delegações municipais de Chão Bom, Achada Tenda, Ribeira das Prata, nas páginas de Internet da Câmara Municipal, nos Serviços Autónomo de Mercado, nos Paços do Concelho e na Assembleia Municipal.

Numa recente entrevista à Inforpress, o edil tarrafalense, José Nunes Soares, afirmou que as alterações que serão feitas ao código vigente desde 2006 justificam-se, tendo em conta o desenvolvimento, o crescimento e actualidades nesse município do interior de Santiago.

“Mais do que a mudança do código em si, o importante é que haja mudança na mentalidade das pessoas, que os munícipes e os cidadãos assumam também a sua cidadania, responsabilidades e deem a sua quota-parte para o bem de um município harmonioso, coeso, tranquilo, urbanizado e propenso a investimentos e que seja um espaço propício para lazer, descanso e para férias”, defendeu.

De entre as alterações ao novo código, o autarca destacou mudanças que têm a ver com saneamento, urbanização, questões da construção e do comércio, ou seja, segundo ele é um documento vasto, abrangente e que praticamente cobre as principais esferas e áreas.

No seu entender, por mais que se tenha um código “bonito e bem elaborado” só vão poder aplica-lo na prática se, efectivamente, houver mudança de atitudes, de mentalidade, do comportamento e de postura por parte dos munícipes.

É que segundo ele “há atitudes e actos que não devem ser praticados e aplicados em pleno século XXI, num espaço que se quer que seja harmonioso, aprazível e que dá gosto a todos os que o procuram”.

De acordo com o autarca tarrafalense, após a sua aprovação as pessoas vão ter que adoptar novas posturas, novos comportamentos para que a aplicação do código seja possível, avisando que as regras vão ser aplicadas “doa a quem doer”.

De referir, que antes desta consulta pública, a edilidade fez a ‘socialização’ deste instrumento municipal com os operadores turísticos locais, os delegados municipais, comandante da Polícia Nacional, representante do Centro de Saúde, secretário substituto da câmara, representante dos fiscais, director delegado dos Serviços Autónomos do Mercado Municipal, delegada do Ministério da Educação.

FM/CP

Inforpress/Fim