Secretária Executiva da CPLP identifica “limitações” que poderão dificultar a livre circulação na comunidade

Cidade da Praia, 12 Jun (Inforpress) – A secretária executiva da CPLP afirmou hoje que a mobilidade é um assunto bastante complexo e que requer uma análise “bastante profunda” e indicou algumas limitações que poderão dificultar a livre circulação de pessoas na comunidade.

Maria do Carmo Silveira que se encontra na Cidade da Praia, no âmbito dos preparativos da cimeira da organização, que terá lugar em Julho na ilha do Sal, salientou que a questão da mobilidade é, se calhar, um dos grandes desafios da CPLP para o qual é necessário encontrar uma solução.

Neste sentido, sugeriu que a melhor solução poderia ser avançar com a mobilidade faseada.

“Sabemos que há muitas limitações, muitas dificuldades”, mas temos de olhar para a questão “com toda a serenidade e temos de encontrar soluções”, disse em conversa com os jornalistas, à saída de um encontro realizado na tarde de hoje com o ministro da Cultura e das Indústrias Criativas, Abraão Vicente.

Maria do Carmo Silveira advertiu, no entanto, sobre algumas limitações de países que, na sua perspectiva, acabam por dificultar a livre circulação de pessoas na sua totalidade.

“Por exemplo, temos o caso de Portugal que está sujeito às regras Schengen. Há alguns outros países que avançam questões geopolíticas e todas elas compreensíveis, mas nós sabemos que a CPLP tem tido uma abordagem faseada dessa questão”, disse.

“Inicialmente, resolveu suprimir-se a necessidade de vistos para os passaportes diplomáticos e especiais de serviços. Nós já temos acordos para facilitação de vistos para os estudantes. Portanto já existe uma mobilidade estudantil no espaço da CPLP e creio que temos que dar mais um passo”, salientou.

Esse próximo passo deve ser dado com a isenção de vistos para grupos empresariais e para os agentes da cultura, no sentido de garantir maiores relações económicas entre os Estados e a ampliação das actividades culturais no espaço da CPLP.

Considera, entretanto, que a Cimeira do Sal será um momento oportuno para se discutir e consensualizar as posições em relação à questão da mobilidade na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Maria do Rosário Silveira considerou também “bastante oportuno” o lema escolhido por Cabo Verde para essa cimeira que marca o início da presidência do arquipélago e que versa sobre “as pessoas, o mar e a cultura”.

“Eu acho que tudo o que nós fazemos deve ter por objectivo último as pessoas e olhar para as pessoas, quer dizer que nós temos que ver o ser humano, a dignidade humana, a questão da mobilidade, a questão da necessidade de se promover o desenvolvimento a nível dos nossos países”, frisou.

No que se refere aos oceanos, adiantou que é necessário ver os mares sob vários pontos de vista, nomeadamente do desenvolvimento económico (a economia azul), da preservação do ambiente e também do ponto de vista da segurança que considera importante no contexto das relações internacionais.

Durante a sua estada em Cabo Verde, Maria do Carmo Silveira manterá encontros com os ministros da Agricultura e Ambiente, Gilberto Silva, dos Negócios Estrangeiros, Luís Filipe Tavares, e das Finanças, Olavo Correia.

Fará também uma visita de cortesia ao Presidente da Republica, Jorge Carlos Fonseca e ao Primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva.

MJB/FP

Inforpress/fim