São Vicente/Carnaval: Vindos do Oriente aposta no conhecimento e “bom gosto” para impressionar

Mindelo, 28 Fev (Inforpress) – O grupo carnavalesco Vindos do Oriente quer levar ao público e jurados do Carnaval deste ano “muito bom gosto e conhecimento” com o enredo “Na Rota da Seda” espelhado em todas as alas e nos carros alegóricos.
A garantia é dada à Inforpress pela presidente do grupo, Lili Freitas, que explica que o enredo conta toda a história à volta do surgimento do tecido seda, desde a sua origem, os caminhos percorridos e o patamar de sucesso que o produto atingiu no mundo.
O grupo que vai apresentar-se nas ruas com 12 alas fixas, incluindo a batucada, fora outros aspectos que Lili Freitas quer manter secreto, e colocar na baixa do Mindelo, uma população média de 800 foliões e três carros alegóricos.
Em relação ao enredo, a presidente do grupo apela a atenção dos jurados para o “conhecimento histórico” que querem transmitir no desfile e “não se deixarem impressionar apenas pelos aspectos físicos” dos grupos.
“Nós nunca trabalhamos com réplicas e nem sempre os jurados encontram-se preparados, a nível de conhecimento, para interpretar a mensagem subjacente aos desfiles, que não podem ser avaliados apenas pelo brilho ou pelo tamanho das alas, mas também por aquilo que querem transmitir”, aponta a presidente.
O objectivo do grupo Vindos do Oriente para este ano é ser campeão do Carnaval do Mindelo 2017 mas, segundo Lili Freitas, estão a trabalhar para superarem o próprio grupo, com uma apresentação a nível deles mesmos ou melhor que o ano passado.
Se não conseguir o primeiro lugar, a meta esperada, Lili Freitas avança que São Vicente é quem sairá vencedor deste Carnaval.
Em relação aos apoios conseguidos, a líder do Vindos do Oriente diz que o grupo não tem que reclamar, até porque sai por vontade própria e “não há nenhum acordo formal com as entidades centrais e locais”.
Neste ponto, chama a atenção para uma “maior seriedade” entre as partes no sentido de fazer justiça ao produto turístico que já colocaram no exterior.
Para além do apoio pontual da Câmara Municipal de São Vicente e do Ministério da Cultura, “embora com atraso”, o grupo conta ainda com algum fundo angariado desde cedo em alguns encontros e eventos culturais, exemplificando com o festival Kavala Fresk.
A nível organizacional, o grupo contou, segundo Lili Freitas, com uma “direcção activa”, dividida em várias delegações, que trabalharam com “seriedade” e “união de grupo”, o que facilita “em muito” o resultado final.
“Um produto estudado e bem estruturado que certamente encantará o público e os jurados”, concretizou.
Vindos do Oriente conta actualmente com a particular parceria com a Associação dos Amigos de Cabo Verde e China (Amicachi) que, este ano, colocou à disposição do grupo duas bolsas de estudo para formação na China, o que vai permitir fortalecer o conhecimento interno para depois enriquecer a cultura geral de São Vicente.
Vindos de Oriente, último dos quatro grupos a desfilar, entrará no sambódromo da Rua de Lisboa às 16:00.
EC/AA
Inforpress/Fim