São Vicente: Universidade do Mindelo fez hoje do cardeal D. Arlindo Furtado seu quarto doutor honoris causa

 

Mindelo, 09 Dez (Inforpress) – A Universidade do Mindelo, em São Vicente, outorgou hoje o título de Doutor Honoris Causa ao cardeal Dom Arlindo Furtado, em cerimónia presidida pelo primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva.

Quando chegou a vez de Dom Arlindo Furtado discursar, no Auditório Onésimo Silveira da Uni-Mindelo, na cidade do mesmo nome, já doutor honoris causa, os elogios foram para a academia, da qual disse ter percorrido “exuberante o seu caminho, superando fantasias e consolidando convicções” a bem da sociedade.

O novo e quarto doutor honoris causa pela Uni Mindelo deteve-se um tempo nos valores da educação, enquanto potenciadora do próprio ser e da sua compreensão, e considerando a Universidade o “único lugar em que a crítica é institucional, lugar de estudo dinâmico”.

Mas a seguir, o cardeal doutor honoris causa, já Dom Arlindo Gomes Furtado, tomou por sua conta a paz, ponto central de todo o seu discurso.

No entender de Dom Arlindo Furtado, os homens devem assumir-se como protagonistas para alcançar a paz universal, uma das “maiores aspirações do ser humano”.

O quarto doutor honoris causa pela Uni-Mindelo, depois de Adriano Moreira, em 2011, Onésimo Silveira, no ano seguinte, e António Mascarenhas Monteiro, em 2015, lamentou que ódios e preconceitos raciais, ameaças e violência constituam uma “mancha horrenda em pleno século XXI”, considerando que a construção da paz, sendo um “processo que até pode regredir”, deve começar pela “reconciliação connosco próprios”.

A terminar, como começou, altura em que se dirigiu à sua paraninfa, Maria das Dores Almeida Morais, tratando-a como “Minha querida madrinha!” e fazendo reagir com sorrisos a plateia, num gesto de simpatia, Dom Arlindo Furtado voltou a agradecer a “tão augusta distinção”, considerando-a uma “surpreendente opção do Conselho Científico da Universidade do Mindelo e do seu reitor”, quando, considerou, há tantas personalidades dela merecedoras.

Por seu turno, o chefe do Governo, em breves palavras considerou ser um “momento único” a atribuição do título honorífico “merecido” ao bispo de Santiago pela “casa do saber e da cultura” que é a Universidade do Mindelo, de cuja “visão e posição irreverente” do reitor, Albertino Graça”, ele chefe do Governo disse “comungar”.

Para Ulisses Correia e Silva, a outorga do título a Dom Arlindo, “figura incontornável” de Cabo Verde, pela sua “simplicidade e pragmatismo, inteligência e humildade”, é “sinal de diálogo entre a ciência e a fé”.

Destacando o “trabalho notável” da Igreja em Cabo Verde “para moldar as atitudes”, o primeiro-ministro afirmou esperar que a atribuição do título ao cardeal sirva para inspirar a cultura de paz em Cabo Verde.

Arlindo Gomes Furtado nasceu a 04 de Outubro de 1949 na localidade de Figueira das Naus, em Santa Catarina, na ilha de Santiago.

Foi baptizado em Agosto de 1951 na Paróquia de Santa Catarina, concelho onde também fez os estudos primários.

Entrou para o Seminário de São José, na Cidade da Praia, a 01 de Outubro de 1963 e, em Setembro de 1971 chegou a Coimbra para estudos no Seminário Maior da cidade, onde também tirou o curso de Teologia antes de regressar a Cabo Verde em 1976.

Feito diácono pelo então bispo de Cabo Verde, Dom Paulino Livramento Évora em 09 de Maio do mesmo ano no seminário de São José, foi a 08 de Julho de 1976 ordenado padre pelo mesmo bispo, agora na Paróquia de Santa Catarina.

Vigário paroquial de Nossa Senhora da Graça entre 1978 e 1986 e reitor do Seminário Menor de São José. Neste mesmo ano segue para Roma, Itália, onde se licenciou em Ciências Bíblicas.

Regressado a Cabo Verde, em 1990 foi professor de Inglês no Liceu Domingos Ramos na Cidade da Praia. De 1991 a 1995 leccionou Grego Bíblico, Hebraico, História e Geografia do Povo Bíblico e cadeiras do Antigo Testamento no Instituto Superior de Estudos Teológicos de Coimbra, cidade em cuja paróquia foi administrador das localidades de Ameal e Vila Pouca.

Regressado a Cabo Verde em 1995, assumiu a paróquia de Nossa Senhora da Graça, tornando-se também membro do Conselho Nacional da Educação e professor na Escola de Formação da Polícia.

Em Dezembro de 2003 chegou a Cabo Verde a notícia de que o Papa João Paulo II criara a diocese do Mindelo e nomeara bispo o padre Arlindo Furtado, tendo tomado posse em 28 de Fevereiro de 2004, para deixar o lugar, em 2011, ao novel bispo Dom Ildo Fortes, nomeado em 25 de Janeiro do mesmo ano.

Em 2015 o Papa Francisco nomeou 15 cardeais, dentre eles Dom Arlindo Furtado, actualmente bispo da diocese de Santiago.

AT/ZS

Inforpress/Fim