São Vicente: UCID volta a apelar ao Governo e à câmara para juntos encontrarem solução para a lixeira municipal

Mindelo, 17 Abr (Inforpress) –  A UCID apelou hoje ao Governo e à câmara de São Vicente para juntos encontrarem uma solução para a lixeira municipal da ilha, que se encontra em “péssima situação, prejudicando a saúde das pessoas e o meio ambiente”.

O presidente da União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID, oposição), António Monteiro, com efeito, promoveu na manhã de hoje uma conferência de imprensa na lixeira municipal, pela terceira vez, e denunciou o estado de “abandono” do espaço, na Ribeira de Julião, “sem vedação”, quando, em 2015, segundo disse, o Governo do PAICV teria atribuído uma verba de oito mil contos para a melhoria da lixeira.

“Especificamente a verba destinava-se à vedação do espaço e passado esses anos a lixeira continua completamente abandonada, sem a respectiva protecção”, concretizou Monteiro, por isso, ajuntou, é um “espaço aberto que crianças e adultos procuram para desenrascar a vida”.

Lembrou que, como solução para o problema da lixeira, o seu partido, na campanha eleitoral para as legislativas de 2016 apresentou um projecto de incineração, num investimento de 8 milhões de dólares, “com garantias de financiamento” de empresários suecos e que permitiria aproveitar a energia calorífica e a sua transformação em 680 quilowatts de potência eléctrica e 270 metros cúbicos de água diários, além de garantir 20 postos de trabalho permanentes.

Tal projecto, concretizou, iria evitar a “actual libertação”, na lixeira municipal da Ribeira de Julião, de 3,6 milhões de toneladas de dióxido de carbono por ano, o que representa “perigo para a saúde pública” e um “atentado ao meio ambiente”.

Posteriormente, informou a mesma fonte, o projecto foi apresentado, em 2018, ao presidente da câmara de São Vicente, Augusto Neves, num encontro do qual saiu a ideia da criação de uma comissão entre a câmara e a UCID para se analisar a questão.

“Até hoje, um ano depois, nenhuma reacção da câmara e do seu presidente, um grande descaso que está a criar problemas ambientais terríveis à ilha de São Vicente e de saúde pública à população”, criticou António Monteiro.

“Não se pode continuar a assobiar para o lado com centenas de pessoas a viver na e da lixeira”, continuou o líder da UCID, que disse não ter problemas de ele e o seu partido serem “catalogado por Augusto Neves” de só pensarem na lixeira, nas casas de tambor e na extracção de areia.

“Desafiamos o presidente da câmara para connosco encontrarmos as soluções para esta lixeira, para que São Vicente seja uma ilha amiga da ecologia e que quer ser o exemplo, não obstante a sua dimensão”, finalizou António Monteiro.

Por outro lado, em Outubro de 2017, o presidente da Câmara Municipal de São Vicente, Augusto Neves, garantira, em conferência de imprensa, que ainda no actual mandato, a lixeira seria deslocalizada alguns quilómetros para além do sítio onde está actualmente, transformando-se num aterro sanitário “mais bem organizado”.

AA/ZS

Inforpress/Fim