São Vicente: Saga dos passageiros com voos para o estrangeiro continua com ajuntamentos à porta da delegação da TACV

 

Mindelo, 12 Set (Inforpress) – Passageiros retidos em São Vicente com destino à Europa, EUA e Brasil continuam a aglomerar-se à porta da delegação da TACV, à procura de informações sobre o reencaminhamento dos seus voos, já que a companhia encontra-se sem avião.

Mesmo sabendo que, na manhã de hoje, serão atendidos os utentes que receberam uma senha para atendimento na tarde de segunda-feira, a Inforpress constatou no local que aqueles que lá se encontram fá-lo na expectativa de serem atendidos no período da tarde.

O grosso são emigrantes cujas férias terminaram, alguns há muitos dias, e que já falam em perda de postos de trabalho no país de destino, casos de doença, que se agravam por “falta de medicamentos”, e cônjuges “abandonados”.

É caso de uma cidadã cabo-verdiana que reside em França e que explicou que veio de férias e deixou uma pessoa a acompanhar o marido que é invisual.

“Só que essa pessoa tem que regressar ao seu trabalho, e eu aqui em São Vicente sem conseguir chegar perto do meu marido”, lamentou.

O pessoal da TACV, dizem, “pouco ou nada podem fazer”, a não ser solicitar o contacto telefónico do utente para “posterior contacto”, se houver possibilidade de reencaminhamento num voo de outra companhia.

Para além do pessoal da empresa de segurança que habitualmente presta serviço à TACV, nota-se a presença de um agente da Polícia Nacional no local.

A Inforpress apurou ainda que o voo desta quarta-feira com destino ao Brasil foi cancelado e que os passageiros estão a aguardar por uma chamada telefónica da TACV.

Na passada sexta-feira, 08, o ministro das Finanças, Olavo Correia, disse que o Governo trabalha para encontrar alternativas para a situação da Transportadora Aérea Cabo-verdiana (TACV), com o único avião que opera nas linhas internacionais avariado.

Olavo Correia admitiu a dificuldade em mobilizar aviões para cobrir essa avaria, mas adiantou que o Governo está “comprometido e engajado a 100%” para encontrar uma solução alternativa.

“Aconteceu, como é óbvio, um incidente, uma avaria grossa que não estava nos planos da empresa e do Governo, que aconteceu num período de época alta, em que as folgas em termos de aviões são mais reduzidas, mas estamos a trabalhar para rapidamente encontrar alternativas”, disse, pedindo a compreensão de todos aqueles que foram afectados por essa avaria.

A TACV, por seu lado, emitiu um comunicado, na semana passada, no qual dava conta do cancelamento de todos os voos internacionais até a passada segunda-feira, 11, pelo que se aguarda um novo pronunciamento da empresa nas próximas horas.

A todos os passageiros afectados, a TACV diz lamentar “profundamente” e pede desculpas por “eventuais constrangimentos provocados” por esta “situação involuntária, totalmente incompatível” com a realização pontual dos voos programados.

AA/JMV

Inforpress/Fim