São Vicente: Primeiro-ministro diz que acção desta manhã do Movimento Sokols prova que democracia “está viva”

 

Mindelo, 05 Set (Inforpress) – O primeiro-ministro considerou hoje que a acção reivindicativa desta manhã do Movimento Sokols, a propósito da regionalização, é “um sinal de que a democracia está viva” e que as pessoas se sentem num quadro de “maior liberdade”.

“Quanto ao resto, as pessoas são livres de expressarem aquilo que bem entenderem”, declarou Ulisses Correia e Silva aos jornalistas, no final da cerimónia de abertura do fórum “Qualidade de serviço público e Ambiente de Negócios” .

Na manhã de hoje, a comitiva do primeiro-ministro foi recebida na estrada aeroporto-cidade do Mindelo por um ajuntamento de elementos do Movimento Sokols ostentando cartazes e dísticos com apelos à “autonomia, já!”.

Cerca das 08:00, pouco mais de duas dezenas de elementos do núcleo de São Vicente do Movimento Sokols, perante a aproximação da caravana do primeiro-ministro, do sítio onde se concentrara, nas imediações da conserveira Frescomar, invadiram a estrada, obrigando as viaturas a parar.

Nem o primeiro-ministro nem o ministro das Finanças desceram das respectivas viaturas, enquanto os elementos do Movimento Sokols gritavam palavras de ordem como “autonomia, já!”, “descentralização” e “promessa é dívida”.

O primeiro-ministro, aos jornalistas, quando questionado se a ilha necessita de mais fóruns de discussões ou de mais empregos, respondeu que São Vicente precisa de “muita discussão, sim senhor”, de fazer “muitas reformas”, já que os empregos “não nascem e nem caem do céu”.

“É preciso que se crie dinâmica económica e é sobre isto que nós temos estado a trabalhar”, lançou Ulisses Correia Silva, precisando que “é bom que as pessoas se juntem”, que discutam coisas importantes”, porque, sustentou, as transformações resultam da criação de dinâmicas sociais e políticas assertivas que precisam ser discutidas e implementadas.

“É o mesmo exercício que estamos a fazer relativamente ao processo de regionalização para que possamos dotar as nossas ilhas de melhores condições de funcionamento”, concretizou, lançado a ideia de que “quem pense que as coisas são pelo efeito de milagre saberá que é preciso trabalho, discernimento e políticas assertivas”.

E São Vicente terá investimentos efectivos do Governo em 2018, questionaram os jornalistas, a que o primeiro-ministro respondeu: “Claro que terá, assim como os restantes ilhas, e assim que o Orçamento estiver pronto verão que há fortes investimentos em várias áreas”, concluiu.

Minutos antes, na ponta final do seu discurso de abertura do fórum “Qualidade de serviço público e ambiente de negócios”, Ulisses Correia e Silva afirmou que se a regionalização fosse uma decisão que dependesse do primeiro-ministro “já teria isto resolvido há muito tempo”.

“Mas o facto é que exige maioria qualificada no Parlamento e é esta negociação que estamos a encetar para colocar”, concretizou.

AA/JMV

Inforpress/Fim