São Vicente: Presidente da câmara denuncia “obstruções intencionais” na rede de esgoto que serve o Lazareto

 

Mindelo, 27 Jun (Inforpress) – O presidente da Câmara Municipal de São Vicente denunciou hoje aquilo que qualifica de “obstruções intencionais” na rede de esgoto que serve o Lazareto para “culpabilizar a câmara ou a Frescomar”.

Augusto Neves, em declarações à Inforpress, no Mindelo, explicou que, recentemente, em trabalhos de levantamento sobre a situação do cheiro nauseabundo que emana da rede de esgoto que serve a zona do Lazareto, uma equipa da autarquia deparou-se com uma caixa de esgoto obstruída com “pedras de grandes dimensões e sacos cheios de areia”.

“É uma clara tentativa de obstruir a passagem das águas negras com a colocação, através das caixas de esgoto, de pedras e sacos cheios de areia para criar complicações”, ajuntou Augusto Neves, que pediu a “colaboração das pessoas” para que a situação seja resolvida.

A este propósito, informou que há obras já a decorrer tendentes à passagem directa das águas residuais da Frescomar para a ETAR (Estação de Tratamento de Águas Residuais), na parte traseira da fábrica, para as quais a conserveira encomendou todo o material que irá ser utilizado.

“Já fizemos o levantamento topográfico, iniciamos as obras com as escavações, após encontros com a Electra, dona dos terrenos, e estou em crer que o mais rapidamente possível a situação será resolvida, em poucos meses”, precisou Augusto Neves.

Contudo, o autarca chamou atenção para a necessidade de se resolver outras situações, entretanto “já inventariadas”, na zona do Lazareto, e que se relacionam com facto de se tratar de uma zona industrial e com uma população muito próxima.

“Teremos que reordenar e estar precavidos”, concretizou.

Ainda na área do saneamento, o presidente da câmara anunciou que autarquia está em vias de adquirir mais um camião para a desobstrução de esgotos na cidade, devido ao aumento da população, e que a ETAR deverá receber “em breve” obras para acompanhar a demanda da população.

Da mesma forma, a autarquia aguarda pela aprovação e homologação do novo Plano Director Municipal para desencadear o processo de desactivação da actual lixeira municipal e a construção de um novo aterro sanitário.

“Sei que o ministro do Ambiente tem a intenção de resolver esta situação o mais rapidamente possível”, concluiu Augusto Neves.

AA/CP

Inforpress/Fim