São Vicente: PNSA ambiciona “construir um cuidado de saúde integral” ao adolescente – coordenadora (c/áudio)

Mindelo, 22 Ago (Inforpress) – A coordenadora do Programa Nacional de Saúde do Adolescente (PNSA) considerou hoje que o mesmo tem em curso um plano para “construir um cuidado integral” de saúde ao adolescente em várias ilhas do país.

Belmira Mirando veio a São Vicente, na manhã de hoje, inaugurar o espaço-piloto para a saúde do adolescente, o primeiro na ilha a localizar-se num centro de cuidados primários, no caso o Centro de Saúde de Fonte Inês, e que conta com as parcerias da UNICEF e do FNUAP.

Trata-se, segundo a mesma fonte, de um espaço específico para o adolescente, para “abrir o acesso” a um cuidado integral já que, além da promoção da saúde e prevenção de doenças, será ali trabalhada a recuperação e o tratamento.

Contudo, assinalou, o objectivo fundamental é levar o adolescente a adoptar “comportamentos seguros” e evitar “comportamentos de risco”, logo, sintetizou, trabalhar para que a pessoa do adolescente, com as suas características próprias, tenha um atendimento que é direccionado a esse grupo.

“Este espaço num centro de cuidados primários é o primeiro, e junto com a comunidade e os parceiros iremos avaliar a experiência e abrir para outros centros dos cuidados primários na ilha”, concretizou.

O espaço comporta uma sala multiusos, onde se vai promover grupos de discussões de vários temas de saúde do adolescente, como reprodutiva, mental e sexualidade, com “informação clara e correcta”, para que o adolescente possa adoptar estilos de vida saudável, para além de atendimento da equipa do centro constituída por psicólogo, nutricionista, médico, enfermeiro e assistente social.

Iniciativa idêntica já existe na cidade da Praia e em São Domingos, na ilha de Santiago, e o PNSA encontra-se a trabalhar com a ilha do Fogo e Santa Catarina de Santiago para expandir essa atenção integral à saúde do adolescente.

É que, segundo Belmira Miranda, os desafios da saúde do adolescente “são enormes”, até porque “há bem pouco tempo” os cuidados a nível mundial davam atenção mais à mulher grávida e à criança.

“Temos que dar atenção a todo o mundo e principalmente a nível das faixas etárias das crianças e dos adolescentes, a promoção, na prevenção de doenças”, lançou a responsável, para um grupo, indicou, que “diz que não tem acesso a cuidados”, de acordo com estudos, daí a abertura desse acesso e construção desse cuidado que vai ao encontro das necessidades desse grupo etário.

AA/CP

Inforpress/Fim