São Vicente: PM estimula mulheres a procurarem avanços nas conectividades e potencial da economia marítima

Mindelo, 15 Abr (Inforpress) – O primeiro-ministro incentivou e estimulou hoje, no Mindelo, as mulheres africanas a fazerem “a diferença no desenho de soluções” rumo a “avanços significativos” nas conectividades marítimas e no aproveitamento do potencial da economia marítima.

Ulisses Correia e Silva, que falava na manhã de hoje, em São Vicente, no acto de abertura do seminário internacional da Rede das Mulheres Profissionais Marítimas e Portuárias da África Ocidental e Central, estimulou ainda a classe feminina a “fazer a diferença” para uma “maior integração” dos mercados do continente, através de transportes marítimos, aéreos, rodoviários e ferroviários.

“É fundamental para o comércio, para o investimento e para a mobilidade das pessoas”, concretizou Correia e Silva, que saudou ainda o facto de o seminário colocar o foco na igualdade de género no sector marítimo portuário, na senda dos “objectivos fundamentais” da Agenda 2030.

Trata-se, ajuntou, de uma “abordagem importante” em “todos os sectores” da vida social, familiar e económica, reconhecendo, embora, como afirmou, que ligar esse foco  ao sector marítimo/portuário deverá ser “muito desafiante” pelas características do sector.

Por isso, disse esperar que o seminário do Mindelo seja “proveitoso e enriquecedor” para os países da sub-região africana do oeste e do centro, “particularmente” para as mulheres que trabalham nas diversas profissões e cargos no sector da economia marítima e portuária.

Por seu lado, Jorge Maurício, na qualidade de presidente da Associação de Gestão dos Portos da África Ocidental e Central (AGPAOC), destacou “a importância” que o Governo atribui à organização de gestão dos portos da África Ocidental e Central, no “reforço da integração” entre os países da região, via consolidação das relações económica no sector marítimo e portuário e, em particular, à importância ao empoderamento do papel da mulher neste sector.

A ideia, assinalou, é que este fórum do Mindelo continue a traduzir-se numa “alavanca de potenciação” da mulher no sector marítimo/portuário mundial e em particular nos portos da região africana.

O que se deseja, concretizou, é um “papel activo” e um “contributo fundamental” das profissionais femininas para “vencer os desafios” e garantir o “desenvolvimento contínuo” dos portos da sub-região africana do oeste e do centro.

“A AGPAOC  vem introduzindo o tema da mulher  no sector marítimo portuário africano criando a rede das mulheres portuárias, com  encontros regulares em que temas fulcrais como empoderamento e igualdade de género são analisados e debatidos”, precisou a mesma fonte, que lembrou que a presidência de Cabo Verde da associação, assumida em 2017, tem na igualdade do género e no empoderamento da mulher “um dos objectivos a atingir”, visando a sua projecção para “novos patamares” de afirmação regional, continental e internacional.

O também presidente do conselho de administração da Enapor – Portos de Cabo Verde, considerou, num outro passo do seu discurso, que o empoderamento feminino na área marítima/portuária é uma “realidade irreversível”, mas que, “apesar dos ganhos”, o objectivo deve continuar a ser “quebrar paradigmas e estigmas antigos, vencer as barreiras” e, “com astúcia”, as mulheres ocuparem “por direito” postos antes “inimagináveis” para o género feminino.

Durante três dias, com efeito, representantes da Rede das Mulheres Profissionais Marítimas e Portuárias da África Ocidental e Central estarão reunidos, no Mindelo, para discutir políticas que ajudem os respectivos portos a promoverem o desenvolvimento do continente.

A proposta para debate integra ainda temas como “O estado do comércio internacional na África Ocidental e Central”, “A relação entre portos e países sem litoral” e “A mulher no sector marítimo e conciliação entre vida familiar e laboral”, entre outros.

Uma vez que este ano a Organização Marítima Internacional (OMI), para celebrar o Dia Mundial Marítimo, adoptou o tema “O empoderamento das mulheres na comunidade marítima” o seminário decorre sob o lema “As mulheres dos portos de África Ocidental e Central para a integração económica do continente”.

O encontro do Mindelo será ainda espaço para a realização da assembleia-geral da Rede das Mulheres Profissionais Marítimas e Portuárias da África Ocidental e Central (RMPMP-AOC), enquadrada na sessão de trabalho da conferência.

AA/ZS

Inforpress/Fim