São Vicente: Janira Hopffer Almada pede ao Governo para dizer qual a sua visão para a Economia Marítima 

Mindelo, 04 Dez (Inforpress) – A presidente do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV-oposição) pediu hoje ao Governo, “três anos depois”, para “dizer a São Vicente”, afinal, qual a sua visão para a Economia Marítima.

Janira Hopffer Almada visitou na manhã de hoje o Centro Oceanográfico do Mindelo (OSCM, na sigla em inglês) e, aos jornalistas, disse não conseguir descortinar “nenhuma obra, nem medida nova” do actual executivo para o sector, para além, precisou, do desmantelamento da Agência Marítima Portuária (AMP), que havia sido um “grande ganho” em regulação.

“Sobretudo no momento em que se está num concurso para a concessão das linhas regulares de transportes marítimos inter-ilhas, não entendemos como é que foi possível extinguir a AMP”, concretizou a mesma fonte, e ter “um recuo novamente para instituto”, em que “ficaram a perder” a regulação, a fiscalização e a transparência.

“Esperamos muito sinceramente que o Governo não se enverede pelo caminho do desmantelamento da Cabnave, por ser fundamental para a reparação naval e o sector das pescas necessita dessa infra-estrutura”, ajuntou.

Sobre a Zona Económica Especial de Economia Marítima (ZEEEM), que “vem sendo prometida pelo actual Governo”, Janira Hpffer Almada sustentou que no Orçamento do Estado há uma dotação de 15 mil contos para 2019, montante que considera que “só pode dar para pagar salários”.

“Não se pode pretender alavancar uma ZEEEM nos termos em que se tem prometido às gentes de São Vicente e a Cabo Verde com 15 mil contos no Orçamento do Estado”, reforçou.

Ao contrário da alegada falta de visão do actual Governo, a líder do PAICV disse que o Governo do seu partido, que perdeu as eleições em 2016, tinha a “visão de transformar São Vicente no epicentro” do Cluster do Mar ou da Economia Azul, “conforme se queira denominar”.

E a par da construção do OSCM, continuou, que explanava um pouco da visão do PAICV para a Economia Marítima, o anterior governo na altura desencadeou “uma série de acções”, como a transferência da Guarda Costeira da Praia para São Vicente, a construção do acesso norte do Porto Grande, construção do Complexo de Pesca da Cova de Inglesa e as parcerias público-privadas para as plataformas de frio.

Ou seja, sintetizou, o PAICV tinha uma “visão muito clara” para o sector e estava “muito convicto” do papel que São Vicente tem neste cluster e neste sector.

Lembrou, a propósito, que as obras de construção do OSCM, inaugurado recentemente pelo primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, iniciaram-se em 2015, infra-estrutura que classifica, no entanto, de um “grande ganho” para São Vicente e para o País, porque introduz Cabo Verde a nível internacional na perspectiva da investigação num outro patamar.

Sempre acompanhada pelo secretário-geral do PAICV, Julião Varela, pelos deputados Manuel Inocêncio Sousa e João do Carmo Brito e por elementos da estrutura local do seu partido, Janira Hopffer Almada tem prevista ainda para hoje visitas à Fazenda do Camarão, no Calhau, e à comunidade agrícola da Ribeira de Vinhas.

A ideia é “auscultar os anseios e aspirações das gentes de São Vicente” e inteirar-se dos e desafios e constrangimentos” da Ilha.

AA/FP

Inforpress/Fim