São Vicente/Festival: Organização garante “tudo pronto” para o arranque da 34ª edição

*** Por Américo Antunes, da Agência Inforpress ***

Mindelo, 10 Ago (Inforpress) – Som, luzes, barracas e tendas montadas: Baía das Gatas, a oito quilómetros da cidade do Mindelo, tem “tudo pronto” para o aguardado encontro musical e de convivência, a partir de hoje, e por tês dias.

A confirmação foi dada há momentos à Inforpress pela vereadora Solange Neves, que se ocupa do pelouro da Cultura, para quem estão criadas as condições para “mais um sucesso” musical e de convivência na Baía das Gatas.

Debaixo do lema “Uma cidade saudável para um turismo sustentável”, a expectativa de juntar cerca de 90 mil pessoas, 65 mil watts de potência sonora e com a Polícia Nacional (PN) a garantir ter já criadas “todas as condições” para que o festival decorra num clima “de tranquilidade, civismo e ordem”, cabe à cantora portuguesa Dulce Pontes, mais logo, às 21:30, abrir a 34ª edição.

Se no ano passado, sete anos depois, a TCV regressou com a cobertura em director do certame, nesta 34ª edição, já se sabe, não haverá directo via televisão pública.

A organização, mesmo assim, através do pelouro de Cultura da Câmara Municipal de São Vicente, entidade que organiza o festival, diz que “tudo está preparado” para que o evento decorra “da melhor forma”, ao mesmo tempo que espera um “comportamento exemplar” do público, “como tem acontecido nos últimos anos”.

As actuações previstas para os três dias principiam, portanto, na noite de hoje, às 21:30, e, como já é hábito, a praia mais a nordeste da cidade do Mindelo, a oito quilómetros do centro da cidade, será o palco dos mais diversos estilos musicais nacionais e internacionais.

De Dudu Araújo, a Denis Graça, passando por Batchart, Nélson Freitas, Cremilda Medina ou Ceuzany, a vertente musical crioula está pronta para oferecer os mais diversificados estilos do folclore musical das ilhas.

Mas há mais, para completar o cartaz dos três dias, num naipe de artistas internacionais, com o reggae a dominar, através dos ingleses UB40, do jamaicano Fantan Mojah e do português Richie Campbell.

Há também Dulce Pontes (Portugal), Claudia Leitte (Brasil) e C4Pedro (Angola).

E é esse grupo de artistas e bandas que irão estrear o “novo” palco da Baía das Gatas o qual recebeu obras de melhoramento, nomeadamente o avanço de sete metros do flanco direito da estrutura, para quem se encontra de frente para o palco, ganhando um “novo ângulo” que vai “favorecer” a projecção do som para o areal da baía

Entretanto, festival não é só música, é também lugar de sã convivência, de reencontros, da morabeza, e oportunidade de negócio, através das barracas de comes e bebes, uns localizados nas traseiras do palco, outras às cercanias da antiga esplanada.

Outro “factor determinante” para o sucesso do festival é a segurança, mas aqui a organização, em concertação com a Polícia Nacional e o Comando da 1ª Região Militar, garante cobertura policial, na baía e na cidade, 24 sobre 24 horas.

Aliás, a “Operação Baía das Gatas 2018” convoca todo o efectivo da Polícia Nacional do Comando de São Vicente, e conta com militares da 1ª Região Militar.

Segundo a PN estão também criadas as condições para que a cidade do Mindelo e arredores “não fiquem abandonados”, pois está garantido o serviço de piquete e o normal funcionamento das esquadras.

Numa ronda por hotéis, residenciais e agência de viagens, a Inforpress constatou que a taxa de ocupação dos hotéis “é alta”, embora existam queixas das residências cujos responsáveis dizem não ter sentido ainda “o peso” do festival nas reservas.

A Cruz Vermelha, por seu lado, terá, como é hábito, um posto de atendimento de primeiros socorros e não faltarão voluntários para trabalhar na promoção de comportamentos responsáveis, sobretudo junto dos jovens, com incidência na prevenção ao consumo excessivo do álcool e da droga, enquanto factores facilitadores da contaminação e propagação das infecções sexualmente transmissíveis.

Assim, a 34ª edição do Festival Internacional de Música da Baía das Gatas, que decorre este ano sob o lema “Uma cidade saudável para um turismo sustentável”, é inaugurada hoje, às 21:30, pela cantora portuguesa Dulce Pontes.

De acordo alinhamento das bandas e artistas, ainda hoje deverão actuar, logo a seguir a Dulce Pontes, os artistas cabo-verdianos Dudu Araújo, que convida as vozes femininas Cremilda Medina e Ceuzany, depois Denis Graça, cabendo ao ‘reggae-man’ Fantan Mojah encerrar o primeiro dia do festival.

No sábado, 11, a abertura será feita às 20:30, pelos DJ´s Rudy e Vava, seguindo-se as actuações de UB 40 ft. Alli Campell, Astro & Mickey Virtue (Reino Unido), Claudia Leitte (Brasil) e C4 Pedro (Angola).

No domingo, 12, de novo a abertura com DJ, mas às 18:00, desta feita Fatboy e Mc Me, para uma tarde/noite em que deverão actuar ainda Batchart & Convidados Mark Delman & Ary Beatz, Nelson Freitas, e Richie Campbell & The 911 Band.

O festival teve a sua primeira edição no dia 18 de Agosto de 1984, é realizado anualmente na praia do mesmo nome, a oito quilómetros da cidade do Mindelo, e desde aquela data apenas em 1995 não se realizou, devido a uma epidemia de cólera que assolou Cabo Verde.

Anualmente, a Câmara Municipal, que organiza o evento, reserva uma verba de 15 mil contos no orçamento municipal para fazer face às despesas com a logística, viagens e cachês de artistas, contando também com parceiros e patrocinadores que financiam a “maior parte do bolo”, que este ano, na globalidade, pode chegar aos 35 mil contos.

Venha daí, pois, a música, o palco está montado.

AA/CP

Inforpress/Fim