São Vicente: Farmácia Higiene reabre com nova gerência e promete “melhor serviço e atendimento” aos mindelenses

Mindelo, 18 Mar (Inforpress) – A Farmácia Higiene, uma das mais emblemáticas da ilha de São Vicente, reabriu as portas agora em Março, depois de três anos de inatividade, tendo a nova gerente prometido emprestar “melhor atendimento e melhor serviço aos mindelenses”.

Esta farmácia que esteve fechada desde 2016, volta agora ao convívio dos mindelenses para “dar continuidade ao seu percurso”, disse hoje à Inforpress, a gerente Joana Nascimento sublinhando que a existência deste estabelecimento data do tempo colonial, época em que ainda ostentava o nome de “Farmácia Teixeira”.

Entretanto, há cerca de meio século passou a denominar-se Farmácia Higiene, nome que a nova gerência decidiu manter nesta “reaparição” do estabelecimento, segundo disse, devido à “referência” que o mesmo representa para a cidade do Mindelo.

“Todas as pessoas conhecem esta farmácia por este nome (Farmácia Higiene) razão por que achamos que deveríamos mante-lo, mas por outro lado, estamos primando também para garantir o melhor atendimento e o melhor serviço que os sanvicentinos merecem”, considerou Joana Nascimento.

Entretanto, conforme apurou a Inforpress, durante esse período em que esteve encerrado, este estabelecimento “mudou de mãos” tendo sido vendido aos novos donos que, no entanto, fazem questão de “preservar” todos os aspectos relevantes da sua história.

Conforme Joana Nascimento, a ausência da Farmácia Higiene durante estes últimos anos que esteve de portas encerradas “fez muita falta” aos mindelenses, não só pela “empatia” que já existia entre o estabelecimento e o público, mas também por ser uma das três farmácias, que se situam bem no centro da cidade do Mindelo, no caso em apreço, em plena Rua de Lisboa.

“Recebemos felicitações vindas de muita gente, algumas pessoas até fizeram um desabafo dizendo um “até que enfim” já reabriram, explicando que esta farmácia já estava a fazer falta no Mindelo”, enfatizou a gerente Joana Nascimento, adiantando um “pequeno porém”, o facto de “por agora” não estarem habilitados para vendas com a Previdência Social.

LN/FP

Inforpress/Fim