São Vicente: Dia de Santo António celebrado por crianças que relembram as tradições

Mindelo, 13 Jun (Inforpress) – As crianças do jardim Flores de Santo António, em Chã de Alecrim, Mindelo, celebraram hoje o dia do patrono com actividades culturais lembrando as tradições que outrora existiram em São Vicente.

As actividades, que vão do profano ao religioso, foram festejadas pelo jardim Flores de Santo António, pertencente à congregação religiosa Irmãos Capuchinhos, do Mindelo, para assinalar o Dia de Santo António, patrono daquela instituição.

Segundo a responsável, Eugénia da Luz, os festejos deste dia vêm de há já algum no jardim de infância, que já conta com 25 anos de existência, e quer trazer aos mais novos “um pouco da tradição” de outrora e que marcavam o 13 de Junho.

“Apesar de ser uma festa religiosa, também tem o lado profano que nós também assinalamos relembrando a nossa cultura, aquilo que se fazia antigamente em que vestíamos aquele traje a rigor, preto e branco, enfeitado com o rosário, com os ramos e as roscas nas mãos. Então é isso que procuramos incutir nas nossas crianças”, afirmou Eugénia da Luz.

Essa parte cultural que ainda é relembrada também nas músicas e danças tradicionais, como por exemplo o “Colá San Jon”, ensaiado pelos alunos durante alguns dias.

E ao que parece esse relembrar das tradições está a surtir efeito, a julgar pelas reacções das alunas Cinthya Lopes e Luciany Lopes, que afirmaram à Inforpress estarem a gostar do traje com saias e lenço amarrado, e de aprender o cola San Jon.

Entretanto, não se esqueceu a parte religiosa que, aliás, marcou o início dos festejos.

As crianças do Flores de Santo António, no total de 180, e ainda os colegas do Jardim São Francisco da zona Pedreira, também pertencente aos Irmãos Capuchinhos, participaram numa procissão até a capela de Chã de Alecrim.

Essa caminhada, de apenas alguns metros, tinha como finalidade ir buscar o Santo António, que depois foi trazido para o recinto escolar ao som dos tambores, que animaram a festa que continuou então no pátio.

Tudo isso para lembrar o Santo António que, conforme relembrou a Irmã Luísa, também responsável pelo jardim, descendia de uma família portuguesa muito rica, que queriam que ele se tornasse um cavaleiro. Contudo, este acabou por optar por uma vida religiosa e depois viajado para África, Marrocos, para pregar a “palavra de Deus”.

Assim, ele “escolheu uma vida muito simples” e que “o fez tornar-se num dos santos mais populares” e comemorado em quase todo o mundo. “Por isso que ele é considerado como o santo casamenteiro, o santo dos perdidos e dos desesperados”, explicou a Irmã.

O dia 13 de Junho é assinalado por ser o dia da morte de Santo António, de nome de baptismo Fernando, que faleceu em Itália, país onde foi parar levado por uma tempestade quando tentava regressar a Portugal por estar doente.

LN/AA/CP

Inforpress/Fim