São Salvador do Mundo: Instrumentos de gestão camarária aprovados com votos favoráveis do MpD e abstenção do PAICV

 

Achada Igreja, 29 Dez (Inforpress) – O plano de actividades e o orçamento da Câmara Municipal de São Salvador do Mundo para 2018 foram aprovados hoje com sete votos a favor do MpD (partido que gere a câmara) e seis abstenções do PAICV (oposição).

O segundo orçamento para o mandato 2016-2020 está orçado em mais de 205 mil contos, sendo que 99 mil contos destinam-se a investimentos municipais.

Em declarações à imprensa, o líder da bancada do Movimento para a Democracia (MpD), Edson Moreira, justificou o voto a favor com o facto serem instrumentos que contêm “projectos importantes” que vão contribuir para o desenvolvimento do concelho e que vão dar respostas à mitigação do mau ano agrícola e da seca.

Mesmo tendo a sua bancada votado a favor, o eleito municipal disse que a sua bancada vai fiscalizar a câmara para que os projectos, que considerou de “importantes”, sejam executados.

O líder do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), José Maria Lopes, por seu lado, disse que a bancada votou abstenção porque os dois instrumentos de gestão “não vão ao encontro dos desafios do mau ano agrícola e da seca”.

Ainda a propósito do orçamento, ajuntou a mesma fonte que o montante para o efeito, ou seja 4.000 contos, é “muito pouco” para a “mitigação da seca” naquele município rural do interior de Santiago.

Mesmo com a garantia da autarquia de que serão criados 300 postos de trabalhos, questionou com que montante, sustentando que a equipa camarária não conseguiu mostrar com que recursos.

Por outro lado, lembrou que as promessas feitas para 2018 são as mesmas de 2017, até “porque não conseguiram cumpri-las e trouxeram o orçamento rectificativo para aprovação”.

“Votamos abstenção para darmos benefício de dúvida à câmara”, disse, sublinhando que o orçamento e o plano de actividades vão ter “muito pouco impacto” na resolução dos problemas para o ano de 2018.

Por seu turno, o presidente da câmara, Ângelo Vaz, que considerou os dois instrumentos de gestão de “realistas e ambiciosos”, disse que o orçamento vai dar respostas ao problema do mau ano agrícola e atender às famílias afectadas.

Segundo o autarca, o orçamento vai permitir a autarquia dar continuidade a infra-estruturação do município, com ênfase na requalificação da cidade e várias localidades, apoio na reabilitação de casas degradadas, criação de investimentos e ainda apoio aos jovens e agricultores.

FM/AA

Inforpress/Fim