São Lourenço: Governo analisa ainda o tipo de saneamento financeiro a aplicar na câmara – edil

 

Cidade da Praia, 05 Out (Inforpress) – O Governo ainda não decidiu que tipo de saneamento financeiro vai aplicar na Câmara Municipal de São Lourenço dos Órgãos, revelou o presidente da Câmara Municipal de São Lourenço dos Órgãos (no interior da ilha de Santiago).

Transcorridos mais de seis meses do anúncio do primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, de que vão efectuar uma auditoria à Câmara Municipal de São Lourenço dos Órgãos para conhecer a “real situação financeira” desse município, cujo processo começou em Abril, Carlos Vasconcelos, disse em declarações à Inforpress, que o Governo ainda não decidiu que saneamento aplicar.

Conforme indicou, o relatório feito pelos inspectores das finanças já está na alçada do ministro das Finanças, Olavo Correia, e este, por sua vez, já criou uma comissão para elaborar uma proposta de saneamento financeiro.

“O ministro das Finanças criou uma comissão para a elaboração de uma proposta de saneamento financeiro para a câmara, que começa desde negociação das dívidas com os credores e perdão de alguns juros de mora, para ver se podemos diminuir a dívida e a partir de ali, analisar que tipo de saneamento financeiro o Governo pode, juntamente com a câmara, aplicar”, precisou.

Carlos Vasconcelos acredita que, ainda este ano, vão ter a previsão sobre que tipo de saneamento vai ser aplicado, pois a Câmara Municipal de São Lourenço dos Órgãos vem passando por um “sufoco enorme”.

Questionado que tipo de saneamento gostaria que o Governo aplicasse no seu concelho, o edil disse que caso a lei permita, aplicava a assunção de todas as dívidas para o Governo.

Neste momento, informou, a auditoria feita pelos inspectores indicou que a dívida da câmara para com os credores é de 350 mil contos.

Na altura do anúncio, Ulisses Correia e Silva explicara que “saneamento financeiro é uma intervenção muito excepcional prevista na lei, mas só se usa em situações que de facto se justifiquem”.

E, naquele município, conforme dissera, justifica fazer esse saneamento financeiro para permitir que a câmara municipal através de um programa tenha condições de exercer as suas funções municipais.

AM/ZS

Inforpress/Fim