São Lourenço dos Órgãos: PAICV avalia negativamente relatório de actividades da autarquia de 2017

Assomada, 18 Mai (Inforpress) – Os eleitos municipais do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV, oposição) avaliaram, quinta-feira, negativamente, o relatório de actividades da Câmara Municipal de São Lourenço dos Órgãos relativo ao ano económico de 2017.

Esta apreciação foi feita à imprensa pelo líder da bancada do PAICV, José António Neves, indicando que o seu partido esperava um relatório com “bom resultado”, tendo em conta que os eleitos prometeram que com um Governo amigo do município e com recursos iam fazer um “excelente trabalho”.

Segundo ele, hoje, o município “perdeu o rumo, a viver numa situação caótica”, com as casas construídas no âmbito do programa “Casa para Todos” de portas fechadas enquanto tectos de habitações de famílias estão a desabar.

Conforme este deputado, a sua bancada fez uma apreciação negativa do documento, visto que os jovens e agricultores, “estão a viver numa situação gritante”, sobretudo, as famílias que foram afectadas por “medidas desastrosas”, numa alusão aos trabalhadores que foram reduzidos por metade os seus salários.

Em relação à desprofissionalização de três dos quatro vereadores, em que lhes foram atribuídos “meio tempo”, lembrou que o seu partido já tinha alertado que o município não tinha capacidade financeira para tal, mas que “não deram ouvidos” e hoje vê-se um recuo em relação a este regime de afectação.

No óptica do PAICV, que votou abstenção à proposta de redimensionamento da equipa camarária, a “questão de fundo não é poupança de recursos”, alegando que os vereadores vão voltar ao quadro de origem e um vai para reforma ganhando o salário na íntegra e ainda vão ter mais 60 por cento do salário do presidente de câmara, ou seja, segundo ele vão passar a ganhar “ainda muito mais”.

O líder da bancada do Movimento para a Democracia (MpD, poder), Odair Afonso, por seu lado, disse que o seu partido faz uma apreciação positiva do relatório por “espelhar a realidade”.

A este propósito firmou que quase 80 por cento (%) de todas as propostas planificadas em diversas áreas foram realizadas, apesar do mau ano agrícola.

Já no que diz respeito ao redimensionamento da equipa camarária, evidenciou o voto por acreditar que uma câmara pequena como São Lourenço dos Órgão, não precisa de todos os vereadores a tempo inteiro, lembrando que antes justificava, tendo em conta que os mesmos precisavam conhecer a casa e estruturar uma câmara que estava “totalmente desorganizada e sem rumo”.

Por sua vez, o presidente da câmara de São Lourenço dos Órgãos, Carlos Vasconcelos, disse que apesar do mau ano agrícola conseguiram realizar “quase totalidade” do programa proposto no plano de actividades, que ultrapassaram os 80%.

Mesmo assim, indicou que os investimentos feitos tiveram “impacto” na vida dos laurentinos, cujas famílias estão a viver “mais tranquilos”, quer a nível do emprego, quer da auto-estima.

Em relação ao novo redimensionamento da nova equipa camarária, disse que a medida justifica-se pelo facto da câmara ter em curso investimentos, quer nível de infra-estruturação do município, programa de promoção social e de juventude.

Com a nova reconfiguração da equipa e pelouros, o edil fica com o pelouro da Cooperação, Comunicação Institucional, Protecção Civil e Transporte, José Carlos Vieira com Habitação Social, Saúde, Família, Acção Social, Igualdade de Género e Suzy dos Reis com Comércio, Emprego, Gestão Administrativa e Financeira e Transparência.

O vereador Valdano Furtado ficou com o pelouro da Educação, Turismo, Formação Profissional, Juventude, Cultura e Desporto e Moisés Vaz com Agricultura, Ambiente e Planeamento e Ordenamento do Território e obras.

Esta sessão ordinária da Assembleia Municipal, a primeira deste ano do mandato (2016-2020), serviu, igualmente para aprovar novas taxas e coimas municipais e autorizar a câmara lançar concurso público para aquisição de uma retroescavadora.

FM/CP

Inforpress/Fim