São Lourenço dos Órgãos: ICIEG entrega diploma a líderes comunitários formados em igualdade de género e VBG

João Teves, 06 Set (Inforpress) – O Instituto Cabo-verdiano para a Igualdade e Equidade de Género (ICIEG) encerrou hoje, em São Lourenço dos Órgãos, com entrega de diplomas, uma formação de líderes comunitários em igualdade de género e Violência Baseado no Género (VBG).

A formação, que se iniciou na terça-feira, 04, e terminou hoje, contou com a participação de 25 formandos, 18 mulheres e sete homens, numa acção que visa promover o engajamento dos mesmos na luta pela igualdade de género e combate à VBG.

Segundo a formadora Herminalda Silva, esta acção, que decorreu durante três dias, teve um “balanço positivo” porque os formandos mostraram-se “totalmente engajados” e demonstraram a preocupação em perceber e entender o fenómeno para que, posteriormente, possam “partilhar acções e conhecimentos” adquiridos durante a formação.

A responsável avançou que a formação vai servir de “ferramentas” para ser usada nas suas comunidades, com vista a combater a violência baseada no género, contribuindo, assim, para a “mudança de mentalidades e comportamentos”.

Sobre o objectivo alcançado, a formadora considerou que se trabalhou para capacitar líderes comunitários e associativistas nas questões de género, violência baseado no género e leis, e também contribuíram para apropriação de ferramentas que servirão no futuro para a prevenção da violência baseado no género.

Acrescentou ainda que, neste contexto, a aposta na capacitação dos líderes comunitários revela-se efectivamente como uma “estratégia importante”, capaz de dar resposta à problemática da desigualdade social e à VBG.

Por seu turno, o formando Joaquim Furtado disse que é um tema de formação “muito importante” e que “infelizmente” ainda em Cabo Verde este tipo de acto que é a violência baseado no género é “vivido como se fosse uma cultura”.

A iniciativa foi organizada em estreita parceria com a Cooperação Espanhola e conta com alto envolvimento das técnicas/os dos Centros de Apoio à Vítima (CAV).

CL/AA

Inforpress/Fim