Santo Antão: Vazamento de esgotos na cidade do Porto Novo gera descontentamento no seio dos munícipes

 

Porto Novo, 29 Jul (Inforpress) – O vazamento de esgotos na cidade do Porto Novo, em Santo Antão, está a gerar o descontentamento no seio dos portonovenses, que clamam por uma solução para o problema de saturação da rede de esgotos nesta urbe.

Os munícipes têm reclamado “uma intervenção urgente” na rede de esgotos, cujas fossas sépticas rebentam, neste momento, pelas costuras, criando um problema de saúde pública na cidade do Porto Novo, com uma população à volta de dez mil pessoas.

Teodoro Graças é um dos munícipes que têm vindo a chamar a atenção para a necessidade da edilidade portonovense proceder a trabalhos de ampliação da rede de esgotos na cidade do Porto Novo, que, além de ser muito obsoleta, cobre apenas 20 por cento (%) deste centro urbano.

O vereador da Câmara Municipal do Porto Novo pelo pelouro do saneamento, Irlando Ramos, disse que a edilidade está a par da situação da rede de esgotos desta cidade, cuja solução passa, a seu ver, pela ampliação dessa infra-estrutura de saneamento e construção de uma estação de tratamento de águas residuais (ETAR).

Segundo o autarca, uma das grandes prioridades para o concelho do Porto Novo prende-se, precisamente, com a ampliação da rede de esgotos e a construção da ETAR, projectos que constam de um programa de água e saneamento que o Governo já anunciou para Santo Antão.

O primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, aquando da sua recente visita a Santo Antão, em finais de Junho, assegurou que o Governo tem em preparação um programa de água e saneamento para Santo Antão que vai ser submetido, em breve, ao Banco Árabe para o Desenvolvimento em África (BADEA), para financiamento.

O programa, que ultrapassa um milhão de contos, visa atender aos problemas urgentes que Porto Novo enfrenta em termos de gestão e tratamento de esgoto e abastecimento de água (reparação da rede de distribuição), também já obsoleta.

O edil do Porto Novo, Aníbal Fonseca, tem vindo a alertar para “a situação de caos” em que se encontra a rede de esgotos da cidade do Porto Novo, que foi, inicialmente, dimensionada para cinco mil pessoas.

“A rede de esgotos, instalada há 17 anos, foi dimensionada para cinco mil pessoas e hoje a cidade do Porto Novo possui cerca de dez mil pessoas”, explicou o autarca, para justificar a necessidade de se proceder ao alargamento dessa infra-estrutura.

JM/ZS

Inforpress/Fim