Santo Antão: Tudo a postos para o arranque da campanha agrícola no Porto Novo – MAA

 

Porto Novo, 03 Ago (Inforpress) – A campanha agrícola no Porto Novo deve arrancar na próxima semana e, na primeira fase, vai incidir nas acções do Ministério da Agricultura e Ambiente (MAA) no acompanhamento e avaliação das sementeiras em pó, já efectuadas, e das dificuldades dos agricultores.

Segundo apurou a Inforpress, a partir da segunda-feira, 07, estará no terreno uma equipa integrada por extensionistas, um veterinário e um técnico de engenharia rural que percorrerá várias localidades para, além de avaliar as actividades em curso, se inteirar ainda das dificuldades dos agricultores na aquisição de sementes e da situação do efectivo pecuário.

Nuno Delgado, coordenador do Departamento da Extensão Rural do MAA no Porto Novo, informou que na primeira semana da campanha agrícola, essa equipa deslocar-se-á às zonas Sul e Norte do concelho, e ainda à Ribeira das Patas, Ribeira da Cruz, Alto Mira, Manuel Lopes e à Ribeira Fria, zonas onde se faz, normalmente, o acompanhamento do ano agrícola.

“Basicamente, o objectivo é acompanhar as sementeiras feitas em pó, saber se os animais estão a comportar e conhecer as dificuldades dos agricultores na obtenção de sementes, para depois podermos tomar as medidas”, explicou Nuno Delgado.

Os preparativos para o arranque da campanha agrícola no Porto Novo acontecem numa altura em que este concelho já está a ser atacada pela praga de lagarta-de-cartucho-de-milho.

Com a época d’azágua (das chuvas) à porta, as autoridades estão preocupadas com os contornos que esta praga pode ter na cultura do milho, pois pode causar prejuízos elevados na cultura tanto de regadio, como no sequeiro.

No Porto Novo, esta praga, que ataca a cultura do milho ao longo de todo o processo de crescimento, florescimento e fortificação, já chegou à Casa de Meio, Chã de Mato/Ponte Sul, Jorge Luís, Martiene e a Alto Mira, embora a presença neste concelho não seja ainda expressiva.

Segundo este responsável, os serviços locais do MAA já colocaram no terreno uma equipa que tem estado a proceder à prospecção e destruição dessa praga, bem como a sensibilização dos agricultores.

O Instituto Nacional de Investigação e Desenvolvimento Agrário (INIDA) confirmou, esta quinta-feira, que a praga de lagarta-de-cartucho-de-milho, depois de Santo Antão (Ribeira Grande e Porto Novo) e Santiago (São Domingos, São Miguel, São Lourenço dos Órgãos e Santa Catarina) já chegou também às ilhas do Maio e Boa Vista.

No Porto Novo, Nuno Delgado assegurou que está-se a fazer um trabalho de prospecção, mas também de sensibilização, com vista à “destruição total”, num futuro próximo, dessa praga, cuja população ainda não é expressiva neste concelho.

O insecto, que produz cerca de 100 a 200 ovos de uma assentada, quantidade suficiente para acabar com toda a produção de milho, apareceu pela primeira vez em África em 2016, e em Cabo Verde foi avistada pela primeira vez, este ano, na ilha de Santo Antão.

JM/FP

Inforpress/Fim